RELIGIÃO E HIPOCRISIA: ATRIBUTOS HUMANOS.

Domingo passado – ‘dia do descanso’ – descansei a tarde toda na casa de vizinhos saboreando um delicioso churrasco, entretanto, não tão delicioso quanto a oportunidade de estar na companhia de todos eles. É uma “bênção” poder ver a vida. Ouvir as opiniões. Sentir a alma do ser-humano. Observar o quão animais somos e o quanto de divino todos temos.

Uma coisa chamou muito a minha atenção. Numa animada conversa com um dos amigos ele me dizia que eu não parecia crente, uma vez que o meu “jeito” de ser e de viver não compactuava com o que ele entendia sobre os evangélicos. O mais curioso é que esta conclusão dele foi embasada num texto deste blog, o qual fala sobre as “PERDAS E DANOS” que a existência promove. Minha esposa deu uma resposta óbvia, mas que me fugia dos lábios; disse ela: “Somos cristãos, mas não somos religiosos”. Brilhante, pensei.

Deus não pertence às religiões. Deus não pertence a nada nem a ninguém. No máximo as coisas e as pessoas é que a Deus pertencem. Não há qualquer religião ou teologia que tenha compreendido o incompreensível, ou seja, aquilo que chamamos de Deus. A revelação não está completa. As religiões são construções humanas e, por isso, limitadíssimas. Deus não cabe nelas, apesar delas se auto-intitularem representantes Dele.

Posto que as religiões sejam instituições construídas por homens, são cheias de erros e injustiças. Religiões promovem intolerâncias, guerras, preconceitos e todas estas coisas que não são pertencentes a Deus, mas pertencentes aos homens.

Quando alguém diz que religião não é uma coisa boa, basicamente está assumindo que a humanidade não é uma coisa boa, já que as mazelas da humanidade estão presentes em todas as instituições humanas, inclusive nas religiões, posto serem estas construções humanas.

Entretanto, uma vez que as religiões arvoram-se por representantes de Deus na terra (apesar de não terem recebido nenhuma procuração formal que as assegure este direito) alguns inclusive, desejosos de protestar contra as mazelas promovidas pelo homem por meio da religião, acabam posicionando-se como ateus, ou seja, confundem Deus com religião (coisas distintas).

Para protestar contra as religiões, não preciso ser ateu. Jesus – que não fundou o cristianismo – discursou duramente contra a religião e foi morto não pelos romanos, mas pelos religiosos, “homens do templo”. Muitos, por não tolerarem as guerras que o cristianismo promoveu, posicionam-se como ateus, pensando que Deus é religião… Uma confusão!

Na época de Jesus as pessoas mais religiosas recebiam o título de fariseus. Era um rótulo que dava orgulho a muitos judeus. Seriam os muçulmanos xiitas de hoje. Seriam os católicos carolas. Seriam também os “crentes radicais”, partidários da teologia do “nada pode”, com um discurso tão paradoxal que dá até a impressão que foi o diabo quem criou o mundo, e não Deus.

A estes fariseus, super-religiosos, que davam o dízimo de tudo, que faziam várias orações diariamente, que dirigiam o louvor na igreja, que perdiam qualquer reunião social para participarem de uma reunião na igreja e que, sobretudo, julgavam e mediam todas as pessoas, a estes Jesus chamou de HIPÓCRITAS.

Sim, religião e hipocrisia caminham juntas já há muitas eras.

A palavra hipócrita vem do grego e pertence ao vocabulário das artes cênicas. Significa artista, ator, mascarado, duas caras, fingimento, aquele que está atuando, aquele que parece, mas, no fundo no fundo, não é. Assim é o super-religioso. Ele apenas parece. E por parecer e não ser, não faz o que deveria fazer, mas deixa de fazer o que esperado seria. Preocupado com a aparência, não com o conteúdo. Um discurso dissonante da práxis. Uma pantomima sacra. Um sepulcro bem caiado.

Jesus disse: “Fujam dos religiosos fariseus, pois são mascarados, hipócritas!”

Hoje ele continuaria com o mesmo discurso: Fujam dos que dizem serem meus representantes, mas que as suas práticas não condizem com o meu discurso. Fujam dos religiosos hipócritas. Fujam dos super-homens. Fujam dos super-crentes. Acautelem-se dos hipócritas. Cuidado com os que impõem sobre outros, cargas que eles mesmos não conseguem carregar. Igualmente fujam dos que criticam os religiosos, contudo, sem possuírem uma ética consistente. Hipócritas!

A Bíblia e Jesus nos ensinam que o homem é pecador. Portanto, eu sou uma pessoa cheia de erros. Você não está fora desta. O Papa não está fora desta. Chico Xavier não está fora desta. Ora, se eu não sou perfeito, quem sou eu para julgar?

Qualquer que julga está sendo hipócrita, posto ninguém ser perfeito.

Disse Jesus: “Não julguem para não serem julgados, pois com a mesma medida com que você julgar, você será julgado”.

Tenho visto tantos religiosos julgando pessoas…

Tenho visto tantos não-religiosos julgando pessoas…

Tenho visto tantos supostos ateus julgando religiosos…

Todos iguais, todos humanos, todos carentes de aprenderem com Cristo a terem um coração humilde, perdoador, não arrogante, não vaidoso, não orgulhoso, não religioso.

Minha luta é não ser um religioso, apesar de ser um pastor. Paradoxal?

Meu esforço é ser um seguidor de Jesus de Nazaré, assumindo publicamente minhas mazelas, sem ser um religioso hipócrita, que finge ser perfeito e a todos julga.

Meu objetivo é conseguir comprometer-me com o discipulado de Cristo, mas não com o discipulado da instituição igreja.

Não sei se conseguirei este meu intento. Quer tentar junto comigo?

Meu amigo apresentado a você no início deste texto também me disse em meio a gargalhadas que se eu continuar neste propósito serei excomungado da igreja. Eu ri demais! Como me divirto! Não sei se comigo ou se com ele. De fato, religiões não costumam ver com bons olhos pessoas não-religiosas.

Meu desejo é que eu e você sejamos pessoas comprometidas com os doces e sábios ensinamentos de Cristo, que promovem a paz de espírito nesta vida e a eterna para depois desta. Com relação à religião… Que não confiemos em nenhuma delas, pois “maldito o homem que confia no homem”.

E como diz um desbotado clichê apregoado por muitos pregadores: “A igreja não salva, quem salva é Cristo”.

enquanto isso muitas denominações atribuem a salvação por eles!

muita hipocrisia deles pois quem salva e cristo mediante a fé, a salvação e por graça e fé, não vem de vós é dom de Deus!

meditem na palavra do Deus vivo e sigam os passos de Jesus, sejais imitadores de cristo!

texto de Luciano Maia.

Como saber se estou passando por uma provação de Deus ou um ataque do Diabo?

Você Pergunta: Estou passando por uma situação um pouco difícil em minha vida e fico refletindo todos os dias se isso que estou passando é uma provação que Deus está me dando ou é um ataque do Diabo para me derrubar. Como saber diferenciar esse tipo de situação? Como sabemos que estamos passando por uma provação ou um ataque do diabo?

Caro leitor, a primeira coisa que tenho a te dizer é que não se desespere diante dessa dúvida. Nem sempre é tão fácil sabermos exatamente se aquilo que estamos vivendo é uma provação ou uma tentação. No entanto, a Bíblia nos dá algumas orientações bem interessantes que podem nos ajudar a avaliar a situação e ter esse entendimento de forma mais clara em nossa mente.

Como saber se estou passando por uma provação de Deus ou um ataque do Diabo?

Tentação ou provação?

(1) A primeira coisa bastante clara na Bíblia é sobre a relação entre a tentação e Deus. Observe o que se diz: “Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta” (Tiago 1:13). Esse texto nos leva ao entendimento claro de que Deus não é o autor da tentação quando esta ocorre em nossas vidas. A tentação sempre vai ocorrer com permissão de Deus, pois Ele é O Soberano, mas nunca pela ação direta Dele.

 

(2) Mas por que Deus não tenta as pessoas? Quando analisamos a tentação percebemos que ela acontece sempre visando trazer a pessoa a uma vida de erro e pecado, a uma vida de distância de Deus. Daí Deus não usar a tentação, pois ela é destrutiva. Quem trabalha com a tentação é o Diabo, é o mundo, é a nossa carne. Eles nos tentam sempre com o objetivo claro de nos fazer cair diante de práticas que não agradam a Deus. É óbvio que nada acontece sem o consentimento de Deus, mas Deus não é o autor da tentação em nossas vidas. Inclusive, a Bíblia ensina que Deus nos ajuda quando somos tentados e não permite aos tentadores que ultrapassem as nossas forças para resistir (1 Coríntios 10:13).

(3) O ato que Deus realiza em nossa vida é a provação. É por isso que a provação é vista de forma positiva na Bíblia: “Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações…” (Tiago 1:2). A provação é encarada assim porque é vista como algo construtivo, que atua em nosso crescimento como pessoas e servos de Deus.

(4) Assim, para analisar se uma situação de nossa vida é uma provação ou uma tentação, precisamos refletir nesses pontos e avaliar se aquilo que estamos passando está ligado ao pecado e ao distanciamento de Deus ou se é algo ligado ao crescimento em alguma área de nossa vida. Por exemplo, algumas pessoas passam por situações de estresse e pressões no trabalho. Esse tipo de situação pode ser uma tentação ou uma provação. Se as pressões estão vindo de forma normal e estão te forçando a exercer mais a paciência e a fé, são provações. Mas se são pressões que estão vindo, por exemplo, por causa de estar fazendo desvios no caixa da empresa, ou saindo com aquela colega de trabalho que é casada, então, estamos diante de uma tentação.

(5) Às vezes não é fácil saber exatamente o que estamos vivendo, se provação ou tentação. Nesses casos, o melhor a fazer é intensificar a vida com Deus e buscar a cada dia colocar o coração na presença de Deus pedindo auxilio. Um caso como esse aconteceu com Jó. Ele não sabia ao certo os objetivos de todo o sofrimento que passava, pois era um homem integro e mesmo assim estava passando por situações terríveis. Em alguns momentos, certamente, ele se questionou se o que passava era provação ou tentação ou se os dois juntos. Mas se manteve firmado no Senhor e, no final, teve uma compreensão melhor das coisas que sofreu: “Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te veem” (Jó 42:5). Nesse ponto podemos ver que houve provação na vida de Jó, pois ele compreendeu o crescimento que Deus lhe deu. Porém, ele também foi tentado. Veja o que a esposa dele disse a ele: “Então, sua mulher lhe disse: Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre” (Jó 2:9). Essa era, certamente, a voz destrutiva do tentador querendo afastar Jó da presença de Deus.

É verdade que as palavras têm poder?

Você Pergunta: Uma vez fui orientado por um amigo meu que frequentava uma igreja evangélica que eu só deveria dizer palavras profetizando coisas boas, dizer palavras que atraíssem aquilo que eu queria para minha vida, pois as palavras têm poder. Ele me repreendeu porque eu comentei que meu filho é muito arteiro. Ele me disse que eu não deveria dizer aquilo porque estava profetizando sobre meu filho que ele teria mal comportamento. Afinal, as palavras têm poder mesmo?

Caro leitor, precisamos de certo equilíbrio nessa questão para avaliar se realmente as palavras têm poder e que tipo de poder é esse que elas têm. Sabemos que as palavras que saem da nossa boca não têm um poder sobrenatural de realizar nada, pois, caso tivessem, poderíamos, por exemplo, começar a dizer agora mesmo para a violência acabar, para as guerras deixarem de existir, para as doenças serem curadas, etc. Resolveríamos todos os problemas do mundo, não é verdade? Sabemos que não temos esse poder através de simplesmente mencionar palavras.

Ao mesmo tempo, podemos notar que as palavras têm poder de trazer consequências boas ou ruins dependendo da forma com que são mencionadas. Por exemplo, um pai que somente critica o filho poderá prejudicar a confiança do filho e trazer tristeza ao coração dele. Um marido que nunca elogia sua esposa, antes, só a menospreza com palavras, poderá trazer problemas ao seu casamento. Alguém que usa as palavras de forma ríspida arrumará muitas brigas. Uma pessoa que é acostumada a usar palavrões pode magoar alguém. Uma pessoa que fala demais poderá ser taxada de fofoqueira. Esse é o tipo de “poder” que as palavras têm.

 

É verdade que as palavras têm poder?

O fato de fazer um comentário com seu amigo sobre o comportamento ruim de seu filho não trará nenhum mal “sobrenatural” ao seu filho. As palavras não tem poder de fazer isso. Isso é besteira. É dar um poder que a palavra não tem. Será que se fosse o contrário, você ficar somente falando para seu amigo (mentindo) que seu filho é muito bom, que sempre faz a lição, que não dá nenhum trabalho, fará com que seu filho tenha todas estas qualidades? Evidente que não! Para ele ser assim seu trabalho será muito maior do que dizer apenas algumas palavras positivas.

É importante observar que a Bíblia traz orientações sobre as palavras que dizemos para que a usemos com sabedoria e aproveitemos esse poder que as palavras têm. Ela nos diz que não devemos usar palavrões, que nossas palavras devem edificar e transmitir graça aos que ouvem: “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem.” (Ef 4:29).

Também diz que nossas palavras devem ser equilibradas e sensatas: “Tenham uma conversa agradável e sensata, pois assim vocês terão a resposta certa para todo o mundo.” (Cl 4:6 – Bíblia Viva). E traz outras diversas orientações sábias para o bom uso das palavras. Por exemplo em Pv 12:6; Pv 14:23; Pv 15:23; Pv 24:26.

Assim, podemos concluir que as palavras têm poder, mas não um poder sobrenatural como alguns insistem em pregar, mas um poder de gerar consequências boas ou ruins dependendo de como são usadas.

 

O Cristão e as Boas Obras

Parece que a única passagem que um crente na Bíblia conhece a respeito das obras é que não somos salvos por elas (Ef 2:8;9)! Infelizmente, devido a isso, muitos tem chegado a ponto de aparentemente adotar uma atitude de indiferença em relação às boas obras, como se estas fossem praticamente insignificantes.  Portanto, este artigo deve ser bastante surpreendente ao revelar verdades bíblicas sobre este importante tema.

 

Cristãos devem deixar sua luz resplandecer, o que significa que devem fazer o bem diante dos outros, mesmo dos não salvos:

 

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.  (Mat 5:16)

tendo o vosso procedimento correto entre os gentios, para que naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, observando as vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação.  (I Ped 2:12)

Os primeiros cristãos em especial ajudavam as viúvas cristãs que qualificavam para a lista de viúvas.  Entre outras qualificações, elas deveriam ter obviamente boas obras:

 

Não seja inscrita como viúva nenhuma que tenha menos de sessenta anos, e só a que tenha sido mulher de um só marido, aprovada com testemunho de boas obras, se criou filhos, se exercitou hospitalidade, se lavou os pés aos santos, se socorreu os atribulados, se praticou toda sorte de boas obras.  (I Tim 5:9;10)

 

As boas obras (assim como os pecados) que não estão claras nesta vida, serão manifestas pois serão trazidas a julgamento:

 

Os pecados de alguns homens são manifestos antes de entrarem em juízo, enquanto os de outros descobrem-se depois.  Da mesma forma também as boas obras são manifestas antecipadamente; e as que não o são não podem ficar ocultas.  (I Tim 5:24;25)

 

Cristãos ricos são ordenados a serem ricos em boas obras:

 

manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a sua esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que nos concede abundantemente todas as coisas para delas gozarmos; que pratiquem o bem, que se enriqueçam de boas obras, que sejam liberais e generosos,  (I Tim 6:17;18)

 

Entre outras recomendações gerais para os cristãos, temos que considerar como podemos estimular os outros cristãos quanto ao amor e as boas obras:

 

e consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras,  (Heb 10:24)

 

Vida cristã é ter boas obras, mesmo a ponto de abundar nelas

 

Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas. (Ef 2:10)

 

E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda boa obra;  (II Cor 9:8)

para que possais andar de maneira digna do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus,  (Col 1:10)

Um dos principais alvos do cristão é praticar o bem, o que pode ser feito se nos purificarmos espiritualmente:

 

Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para toda boa obra. (II Tim 2:21)

 

Além disso, qualquer homem de Deus é completamente equipado para toda boa obra, apenas com as escrituras:

 

Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra.  (II Tim 3:16;17)

 

Jesus deu a si mesmo para:  (1) redimir de toda a iniquidade um povo para si e (2) purificar Ele próprio um povo de sua propriedade.  Este povo é mais adiante descrito como aqueles que estão zelosos para fazer o bem:

 

ensinando-nos, para que, renunciando à impiedade e às paixões mundanas, vivamos no presente mundo sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras.  (Titus 2:12-14)

 

Note essa expressão: zeloso, ansioso por fazer o bem.  Caro leitor, acaso isso descreve VOCÊ?

 

Fé sem Boas Obras é Morta

A ação que tem que acompanhar a fé é a prática de boas obras, de outra forma a fé de alguém estará morta.  O tipo de fé sem obras não é o tipo que salvará alguém do Inferno.  Um exemplo específico de boas obras citado aqui é dar roupas e alimento para um cristão que esteja passando necessidade:

 

“Que proveito há, meus irmãos se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura essa fé pode salvá-lo?  Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso?  Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma.”  (Tiago 2:14-17)

 

Tiago então conta uma aparente objeção com o seguinte:

 

Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.  Crês tu que Deus é um só? Fazes bem; os demônios também o crêem, e estremecem.  Mas queres saber, ó homem insensato, que a fé sem as obras é inútil?  (Tiago 2:18-20)

 

Tiago prossegue citando o exemplo de Abraão para provar o seu ponto.  Por favor, perceba:  Abraão estava desejoso de deixar de lado o sonho de sua vida através do seu filho Isaac, nascido a partir de um milagre, para obedecer a Deus quando foi testado:

 

Porventura não foi pelas obras que nosso pai Abraão foi justificado quando ofereceu sobre o altar seu filho Isaque?  Vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada.  E se cumpriu a escritura que diz: E creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça, e foi chamado amigo de Deus.  Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé.  (Tiago 2:21-24)

 

Outro exemplo parecido foi o de Raabe, a prostituta:

 

E de igual modo não foi a meretriz Raabe também justificada pelas obras, quando acolheu os espias, e os fez sair por outro caminho?  Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.  (Tiago 2:25;26)

 

Para Raabe, dar proteção aos espias foi o mesmo que ariscar a sua vida por eles.  Tanto Abraão quanto Raabe foram exemplos de pessoas que tiveram uma fé para a salvação, que é a fé que acompanha as boas obras.  A fé deles se completou com o que eles fizeram.  A moral da hisstória de ambos é então mostrada.

 

Paulo, o verdadeiro mestre da graça que lutou contra o legalismo, ensinou as mulheres cristãs como se vestir e como não se vestir.  Ele também acrescentou que estas deveriam se vestir com boas obras, o que é apropriado para mulheres que professam servir a Deus:

 

Quero, do mesmo modo, que as mulheres se ataviem com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos custosos, mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras.  (I Tim 2:9;10)

 

Para um cristão receber um grande galardão, ele é ensinado a fazer o bem a seus inimigos:

 

Mas a vós que ouvis, digo: Amai a vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, bendizei aos que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam.  Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te houver tirado a capa, não lhe negues também a túnica.  Dá a todo o que te pedir; e ao que tomar o que é teu, não lho reclames.  Assim como quereis que os homens vos façam, do mesmo modo lhes fazei vós também.  Se amardes aos que vos amam, que mérito há nisso? Pois também os pecadores amam aos que os amam.  E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que mérito há nisso? Também os pecadores fazem o mesmo.  E se emprestardes àqueles de quem esperais receber, que mérito há nisso? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para receberem outro tanto.  Amai, porém a vossos inimigos, fazei bem e emprestai, nunca desanimado; e grande será a vossa recompensa, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os integrantes e maus.  (Lucas 6:27-35)

 

O Senhor Jesus uma vez descreveu aqueles que entrarão no reino de Deus como aqueles que fazem o bem:

 

Não vos admireis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão:  os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida, e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo.  (João 5:28;29)

 

Só a duas possibilidades com relação às coisas, ou a pessoa fará o bem ou o mal.  Aqueles que recebem a vida eterna (que é o mesmo que entrar no reino de Deus) persistem em fazer o bem:

 

a saber: a vida eterna aos que, com perseverança em fazer o bem, procuram glória, e honra e incorrupção; mas ira e indignação aos que são contenciosos, e desobedientes à iniqüidade; tribulação e angústia sobre a alma de todo homem que pratica o mal, primeiramente do judeu, e também do grego; glória, porém, e honra e paz a todo aquele que pratica o bem, primeiramente ao judeu, e também ao grego;  (Rom 2:7-10)

 

De acordo com a verdadeira graça, semear para o Espírito, que resultará em colher vida eterna, é persistir em fazer o bem:

 

Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.  Então, enquanto temos oportunidade, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.  (Gal 6:8-10)

 

É possível para qualquer cristão estar preparado para fazer qualquer boa obra:

 

Todavia o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os seus, e: Aparte-se da injustiça todo aquele que profere o nome do Senhor.  Ora, numa grande casa, não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de madeira e de barro; e uns, na verdade, para uso honroso, outros, porém, para uso desonroso.  Se, pois, alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, preparado para toda boa obra.  (II Tim 2:19-21)

 

Professores são especialmente recomendados a darem o exemplo em fazer boas obras:

 

Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra integridade, sobriedade, linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se confunda, não tendo nenhum mal que dizer de nós.  (Tito 2:7;8)

 

Cristãos do primeiro século foram lembrados de certas verdades básicas, que incluem fazer o bem:

 

Adverte-lhes que estejam sujeitos aos governadores e autoridades, que sejam obedientes, e estejam preparados para toda boa obra, que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas moderados, mostrando toda a mansidão para com todos os homens.  (Tito 3:1;2)

 

É bom e proveitoso para todos os cristãos se devotarem a fazer boas obras:

 

Fiel é esta palavra, e quero que a proclames com firmeza para que os que crêem em Deus procurem aplicar-se às boas obras. Essas coisas são boas e proveitosas aos homens.  (Tito 3:8)

 

Que os nossos também aprendam a aplicar-se às boas obras, para suprir as coisas necessárias, a fim de que não sejam infrutuosos.  (Tito 3:14)

Os dias de se sacrificar animais estão terminados para os cristãos, mas há outros sacrifícios assim como fazer o bem:

 

Mas não vos esqueçais de fazer o bem e de repartir com outros, porque com tais sacrifícios Deus se agrada.  (Heb 13:16)

 

Muitas pessoas consideram-se sábias e entendidas, mas de fato o são?  Observe como boas obras são consideradas nesta definição:

 

Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom procedimento as suas obras em mansidão de sabedoria.  (Tiago 3:13)

 

Bom comportamento é uma norma para o cristão, mas ele deve também sofrer por isso:

 

antes santificai em vossos corações a Cristo como Senhor; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós; tendo uma boa consciência, para que, naquilo em que falam mal de vós, fiquem confundidos os que vituperam o vosso bom procedimento em Cristo.  Porque melhor é sofrerdes fazendo o bem, se a vontade de Deus assim o quer, do que fazendo o mal.  (I Ped 3:15-17)

Sei que muitos nem lê os textos Bíblicos, mais tenho certeza que algumas pessoas estão abrindo seus olhos para evangelho puro e genuíno,a intenção desse Blog e para que as pessoas deixem essas doutrinas enganadoras de lado para fazer oque é certo aos olhos de Deus!

atenção para os tempos finais, estamos prestes ha ver a volta Gloriosa de Jesus, voltar ao evangelho da paz, da comunhão com cristo, não sejamos hipócrita em acreditar em sacrifícios empunhados por mãos humanas, saiam do engano, volte em quanto ha tempo, estamos vivendo pela misericórdia de Deus, tempos difíceis, tempos de surgirão guerras e rumores de guerras, onde o amor esfriara, vejam como a Bíblia nos alertas, deem atenção para tudo que estamos vivendo hoje, pessoas preocupadas em ter fama, dinheiro, status… etc!

devemos cuidar uns dos outros, orar uns pelos outros, devemos estender nossas mãos e ajudar, pregar o evangelho da cruz, da salvação, Jesus está voltando e parece que ninguém percebe, não esqueça que ele vira como um ladrão!

que Deus abençoe nós todos com sua infinita misericórdia!

Podemos ser salvos através da caridade?

A cada um segundo as suas Obras”. Jesus morreu para nos mostrar o caminho da Salvação: Amor ao próximo – CARIDADE. Porque dizemos que ele nos salva, se ele mesmo é claro em dizer que são nossas ações que nos salvam? Não está na hora de rever isto, e deixar de passar a responsabilidade toda para ele? Não é melhor edificar nossas obras no bem, sabendo que é isto que Jesus nos disse?

Caro leitor, você está equivocado em suas colocações. Não sei qual foi a sua base para afirmar que Jesus afirmou que a salvação é pela caridade (boas obras). A Bíblia não diz isso. Abaixo vou expor alguns textos que mostram claramente que a salvação é pela graça de Deus mediante a fé. Ou seja, não depende de obra alguma do homem. É uma ação de Deus em nossa vida que é recebida pela fé.

“E disse-lhes [Jesus]: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado.” (Mc 16. 15-16). Como se vê claramente, Jesus afirma que o salvo será o que “crer”. Não temos a menção de que “fazer caridade” é o elemento que faz alguém ser salvo.

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito [Jesus], para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3. 16). Novamente vemos aqui que a salvação é recebida pela fé. Aquele que crê no Filho de Deus, Jesus Cristo, tem a vida eterna.

“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.” (Ef 2:8-9). Esse texto é um dos mais claros e conclusivos. A salvação é pela graça, mediante a fé. Paulo acrescenta aqui claramente que as obras NÃO fazem parte do processo da salvação para que “ninguém se glorie”. Nos próximos versículos é esclarecido que as obras têm o seu papel, não de salvar, mas são decorrentes da fé (são frutos): “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” (Ef 2. 10). As boas obras devem fazer parte da vida do salvo, mas não são o agente da salvação.

“visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei…” (Rm 3. 20). Nesse texto vemos esclarecido que nem a obediência à Lei de Deus pode nos salvar.

“sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado.” (Gl 2. 16). Mais uma vez vemos que a obediência à Lei não salva; somos salvos mediante a fé em Jesus Cristo.

“que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade, mediante o evangelho,” (2Tm 1. 9-10)

Creio que ficou claro que a Bíblia mostra que a salvação é uma graça de Deus que é recebida pela fé, gratuitamente. Essa salvação é recebida quando reconhecemos que somos pecadores e que Jesus Cristo, em nosso lugar, levou nossos pecados na cruz do Calvário e, pelo Seu sangue, derramado em nosso lugar, somos salvos. Reconhecendo isso entregamos toda a nossa vida ao senhorio de Cristo. É assim que somos salvos e não pela realização de caridades.

Presbítero Andre Sanches

Quais são os frutos que Deus espera de nós.

“Por isso vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e entregue a um povo que produza frutos”. (Mt 21,43)

Podemos presumir que o Senhor nos chamou para trabalhar em sua vinha. Nós somos este povo novo a quem o Senhor entregou Sua vinha. Por sua vez, cabe então a nós agora produzir os frutos desta vinha. Meditando sobre este trecho do Evangelho, nos vem a pergunta: quais são os frutos que Deus espera de mim? Ou ainda: Qual é o fruto que esta vinha deve produzir? Uma vez que sabemos que Ele nos colocou na vinha de Sua Vontade, de Seu Amor, o fruto esperado é o Amor!

 

Se olharmos com atenção, toda a missão de Jesus se resume em revelar o Pai e Seu amor por nós e a nos ensinar a amar como Ele nos amou. Este é o mandamento Dele! Foi para isso que Ele foi enviado pelo Pai, para ensinar os vinhateiros, que somos nós, a produzir os frutos da vinha de seu Pai.

Quando não acolhemos os ensinamentos de Jesus, quando não cumprimos seu mandamento, somos estes vinhateiros assassinos que matam a Palavra em suas vidas e por consequência não produzem os frutos da vinha do Amor.

Os frutos que Deus espera de mim não são outros a não ser o Amor e suas qualificações, como nos mostra Paulo em sua Primeira Carta aos Coríntios, no capítulo 13, versículos 4 a 7:

A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante. Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 

Neste mesmo capítulo, versículos 1 a 3, Paulo nos mostra que não é outro fruto que Deus espera quando diz:

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.

Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada.

Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria!

Que o Senhor tenha paciência conosco e que nós estejamos atentos aos seus mandamentos, aos seus ensinamentos a fim de produzirmos os frutos que Deus espera de nós!

 

O que é e como fazer as boas ¨obras de Deus¨?

   Poderia simplesmente responder: “não faço a obra de Deus, pois se é de Deus, não é minha, logo, quem faz é Ele.” Porém isso é, na minha forma de entender, apenas parcialmente verdadeiro.
     Antes de mais nada, vamos deixar claro: “fazer a obra de Deus” nada tem a ver com cumprir uma agenda de atividades de uma denominação religiosa, pois muitos associam a “obra de Deus” a qualquer coisa que esteja relacionado a isso, sejam cultos, trabalhos de “evangelismo” ou de “missões”. Não há base alguma para dividir todas as coisas em dois polos, sagrado e profano, e associar essas coisas chamadas de “sagradas” a essa obra divina. Mas vamos ao que importa:
     Em João 6 observamos que quando perguntaram a Jesus como poderiam “fazer a obra de Deus”, Ele lhes respondeu: “A obra de Deus é esta: crer naquele que Ele enviou”. Em outras palavras, Jesus disse: “Aquele que crê em mim faz a obra de Deus”!
     Oxi, pera aí… Quer dizer então que é por isso que em João 14 Jesus diz: “Aquele que crê em mim fará também as obras que faço e fará coisas ainda maiores do que estas”? Isso mesmo! Quem crê faz a Obra de Deus, pois a Obra é justamente crer! Mas não ache que “crer” é meramente “acreditar”, pois se assim fosse, até o diabo viveria fazendo a obra divina, pois os demônios creem e tremem (Tiago 2). Crer genuinamente é ter fé, é depositar confiança a ponto de entregar-se, de desistir de seus méritos e de assumir que é um miserável pecador que carece da Graça divina. E é essa fé que não só nos faz entregar, mas também nos pacifica pela certeza de que fomos abraçados na Cruz.
     Mas não para por aí, pois pense um pouquinho:
     Jesus é a revelação plena de Deus ao homem, é a Palavra de Deus que se fez carne, é a imagem do Deus invisível, é, portanto, a representação de uma humanidade perfeita, certo? Olhando para Ele vemos como deveríamos ser, pois Ele é nosso modelo, nosso Mestre. Então se é em Cristo que creio e é a Ele que sigo, percebo que é a imagem dEle que é o ideal de Deus para que eu seja. Sendo assim, se Cristo foi a vontade perfeita de Deus sendo executada na Terra por um homem (Jesus), fazer a obra de Deus neste mundo é nada mais, nada menos que procurar repetir aqui os feitos de Jesus. Ou seja: amar, perdoar, ajudar, acolher, não discriminar, abraçar, caminhar junto, ensinar, se alegrar com os que se alegram e participar da dor daqueles que choram, fazer o bem a todos, não pagar mal com mal, resistir à tentação… “Cristão” significa “pequeno Cristo”, então mesmo que neste mundo sejamos ainda de forma imperfeita (pois estamos ainda em processo de transformação), é nesse objetivo que seguimos. O alvo é sempre Ele.
     Lembra que o Espírito Santo foi enviado para habitar em nós? Ou seja, Deus também está dentro de nós, de forma que a Obra dEle também é feita através de nós. Quando eu faço algo para o meu próximo, por exemplo, é Deus fazendo Sua obra através de mim. Ao mesmo tempo, sou eu fazendo algo a Deus, pois Deus também está habitando esse meu irmão. Por isso sirvo a Deus quando sirvo quem está ao meu lado.
     Percebe como tudo está interligado? E mais: mesmo que eu entenda e faça o que Jesus me ensinou a fazer, continuarei sem ter mérito algum, pois, como lemos em Filipenses 2, até o nosso querer e o nosso realizar vem de Deus. Não sobra espaço para focar no homem. Jamais teremos créditos com Deus, pois mais que façamos a “Obra de Deus”. Tudo é por Graça, por um favor imerecido. O que fazemos é apenas por amor, por fé, por gratidão e como adoração.

Questões que os crentes ainda não entendeu???

  • 1 a salvação é por meio da fé em cristo,
  • A fé é um dom de Deus,
  • 2 ninguém precisa de Intermediário.
  • ou seja você precisa de você mesmo(a)
  • A porta é estreita porque entre um de cada vez.
  • ou seja você dará contas da sua salvação.
  • não esta falando de templos entrando no  céu.
  • se você se ocupar em conhecer a vontade de Deus, jamais será enganado!
  • igrejas deveriam se ocupar de ensinar, mais isso não tem ocorrido ultimamente, pois a ganância e fazer os pobres almejar riquezas aqui na terra tem sido o tema das igrejas…
  • e quando os fieis passam a entender um pouco mais da palavra de Deus, abandonam os templos pois descobrem toda sujeira que era pregado.
  • as coisas com Deus é muito simples, Deus tem prazer em nos abençoar basta que a gente abra o coração com sinceridade,
  • Os erros do ser humano, e não saber pedir, pois Deus sabe das suas necessidades, e ainda sabe seu pedido, então parem de pedir coisas erradas, Deus tem todo poder para atende lo, então não me venha com pedidos sem sentidos, tipo tomar o marido da sua melhor amiga, pedir carro, casa, sem almenos estar trabalhando em um bom emprego, não peça para Deus pagar suas dividas, você as fez então você as pague, não use o nome de Deus para dar desculpas do seu mal caracter, seja sincero,
  • a pessoa acha que Deus tem que arrumar emprego pra ele, acha que Deus tem que dar um carro pra ele, na verdade ele é um belo de um preguiçoso que fica esperando cair do céu, Deus nôs deu garantia de vida sim mais também deu inteligência, e sabedoria.
  •  então bora trabalhar, estudar, fazer cursos, bora correr atrás,
  • Deus não faz barganha, ele não aceita esse tipo de coisa, até poque ele não precisa disso, então  pare de achar que você foi salvo porque deu o Dizimo, trizimo. ou sei la mais oque!
  •  mais Deus fica muito feliz quando ele vê alguém ajudando a quem realmente precisa, e nem precisa saber fazer entrevista com ela pra saber o porque estão passando por maus momentos, ajuda e pronto!
  • Deus ama quando você o procura de coração.
  • quando você confia nele, sua vida pode estar na pior, mais a sua fé te salva do abismo
  • agora uma coisa que ele abomina, são festas encontros de tudo que é tipo. e ainda diz que é pra Deus um monte de gente em passeatas pra Jesus, fazendo barbaridades, vão para esse tipo de lugar pra paquerar, as vezes alguns vão até para roubar, roubar a paz de outras pessoas, Deus não suporta suas festas!
  • Mais ele ama quando você em secreto o procura, então pessoal fica algumas dicas pra vocês que estão acompanhando meu blog
  • Deus os abençoe fiquem antenados na palavra de Deus!

O cristão genuíno

O cristão genuíno

No meio evangélico ou gospel é difícil identificar o que é joio e o que é trigo. Mas a Bíblia nos diz que por meio dos frutos é possível conhecer qual é árvore. Você é um crente genuíno? Quais são algumas evidências que um cristão genuíno apresenta? Logo abaixo apresentarei três evidências que podemos encontrar num cristão genuíno (a ordem em que aparecem não define qual é prioritária). Minha oração é que cada leitor examine-se por meio deste breve check-up.

Em primeiro lugar, o crente genuíno é alguém que está sendo transformado diariamente na imagem de Cristo. Ele não fica estacionado na sua vida cristã esperando o tempo passar. Pelo contrário, o crente autêntico percebe que sua vida ainda tem muito a melhorar para agradar a Deus, e então, ele busca depender da graça do Pai para o seu amadurecimento. A Bíblia diz em Provérbios 4:18 que “a vereda do justo é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.” O cristão autêntico está envolvido neste processo de conhecer e prosseguir conhecendo a Deus no seu dia-a-dia.
Em segundo lugar, o crente genuíno é alguém que reconhece suas fragilidades e que precisa continuar lutando contra o pecado em seu viver. Ele sabe que não está imune contra as ciladas da carne e nem do diabo, por isso o crente genuíno busca estar vigilante em cada circunstância. Ele não anda por aí se gabando que não comete mais nenhum pecado, porque está escrito em 1 Coríntios 10:12: “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia.” O crente genuíno sabe que o seu coração é enganoso e que não pode confiar em sua própria força para vencer as tentações. Por isso, ele confessa seus pecados constantemente para não deixar nenhum lixo debaixo do tapete. Ele faz sempre uma faxina geral em sua mente para checar o que precisa ser purificado.
E finalmente, o crente genuíno também é alguém que ama a Palavra de Deus. Ele não negligencia o estudo cuidadoso da Bíblia para tirar princípios e aplicações. O crente genuíno sempre está interessado em ouvir o que Deus tem a lhe dizer por meio da Bíblia. Ele não fica atrás de revelações e sonhos que outras pessoas tiveram a seu respeito, porque o seu maior tesouro é a Palavra de Deus. O seu interesse é direcionado para as Escrituras, e quando tem alguma dúvida busca a orientação de pessoas que podem lhe explicar melhor. Ele reconhece que “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2 Tm. 3: 16-17).
O cristão genuíno apresenta estas três evidências em sua vida: ele é alguém que está em processo de crescimento contínuo; ele é alguém que reconhece e confessa os seus pecados; e ele é alguém que dedica seus esforços para conhecer a Palavra de Deus. Meu irmão, a pergunta é a seguinte: você tem estas evidências em sua vida? Reflita se já não é hora de evidenciar o verdadeiro cristianismo em seu viver.

Culto Cristocêntrico X Culto Antropocêntrico.

Culto Cristocêntrico x Culto Antropocêntrico

Culto Cristocêntrico x Antropocêntrico

Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!Romanos 11.36 
          A própria definição de culto pressupõe que devemos nos reunir para adorar a Deus, louvá-lo, cantar louvores ao seu nome, humilhando-nos e nos convertendo diante dEle, e o Senhor, em decorrência disso, nos abençoa.
          Mas, como estão os chamados cultos hoje? Qual é a primeira pergunta que o dirigente do culto (culto?) faz a todos? “Quantos aqui vieram buscar a sua bênção?” Ora, o nosso propósito principal é buscar a nossa bênção, ou adorar a Deus na beleza de sua santidade?
          Bem, nesta série proponho uma reflexão acerca dos nossos cultos. O meu desejo é que você, prezado internauta, ao ler esses artigos reflita se os seus cultos individual e coletivo (em sua igreja) são cristocêntricos, isto é, têm o Senhor Jesus como o centro de tudo, ou antropocêntricos (gr. anthropos = homem), voltados aos interesses do ser humano.
COMO TÊM SIDO OS “CULTOS” HOJE? O G-12 É MESMO UM BOM MODELO PARA NÓS?
Nesses últimos dias, em que muitos cultos transformaram-se em reuniões para agradar, elogiar e “abençoar” o ser humano, além de melhorar a sua auto-estima, as mensagens cristocêntricas tendem a perder o sentido. Tornam-se cada vez mais raros os mensageiros da cruz de Cristo.
           Para muitos crentes, como já vimos em outras postagens, Deus é uma espécie de “Papai Noel”, que entra nos templos com um grande saco de presentes nas costas e começa a distribuí-los aos que têm fé. Os anjos podem ser comparados aos elfos — pequenos auxiliares do “bom velhinho”, que o ajudam a distribuir “brinquedos” para os “meninos”. Esse evangelho antropocêntrico — do grego anthropos, “homem” — que vem sendo propagado por algumas igrejas e pregadores que se distanciam a cada dia das Escrituras tem a sua origem no antropocentrismo, doutrina filosófica pela qual se afirma que o ser humano é o centro do Universo, a referência máxima e absoluta de valores, o protagonista, o centro das atenções.
          No meio evangélico, tal filosofia tem sido adaptada e respaldada por passagens bíblicas isoladas. Segundo esse evangelho triunfalista, Jesus teria sido apenas um grande homem que venceu pela fé, e não o verdadeiro Deus encarnado (cf. Jo 1.14). Os propagadores desse “outro evangelho” defendem uma deificação do homem, ensinamento que enfatiza — ainda que de modo tácito — o rebaixamento de Deus e a desvalorização da obra expiatória de Cristo.
O G-12 É TREMENDO?
         Muitas igrejas têm adotado a “visão celular”, também chamada de Movimento G-12, embora nem todas sigam a numerologia ou a mística associada ao número doze (doze apóstolos, doze tribos, etc.), preferindo adotar grupos celulares de dez, quatorze ou até quinze membros. Tal estratégia vem sendo apresentada, sem nenhuma modéstia, como o mais eficaz meio de conquistar almas perdidas.
          Os defensores do G-12 — principais propagadores do evangelho antropocêntrico — afirmam que imitam a igreja primitiva. Para eles, essa estratégia é uma revolução, uma quebra de paradigmas e, ao mesmo tempo, um retorno aos princípios da igreja de Atos dos Apóstolos. Não se trata, pois, de mais um programa; é, modéstia à parte, o programa da igreja. Alguns líderes, principalmente os de jovens, afirmam que não seguem padrões éticos, dogmáticos, eclesiásticos de pessoas maduras na fé, experientes ou tradicionalmente respeitáveis. Preferem valorizar as “ministrações específicas” em pré-encontros, encontros, pós-encontros, encontros de líderes, etc.
          Ninguém está autorizado a descrever o que acontece nessas reuniões secretas. Mas todos concordam: “É tremendo”. As igrejas em células têm os seus próprios cursos e conteúdos pedagógicos. Não investem na Escola
Dominical; consideram-na ultrapassada, uma instituição falida. Dizem, sem nenhuma cerimônia, que as igrejas tradicionais ou conservadoras seguem padrões arcaicos e “comem pão amanhecido, seco e duro”.
          Desprezam e reprovam a liturgia tradicional das igrejas que não seguem o modelo celular.
          Na prática, embora não admitam, os propagadores dessa “visão” têm oferecido aos crentes vários atrativos do mundo, mas dentro de um contexto “evangélico”. Sua estratégia principal é a “contextualização”. Tudo é feito para agradar as pessoas, uma vez que o objetivo é o crescimento numérico, e não a formação de crentes segundo a Palavra de Deus.
          Prevalecem doutrinas triunfalistas, como a confissão positiva, a maldição hereditária e a teologia da prosperidade. Tudo gira em torno das células, reuniões realizadas somente em casas de pessoas evangélicas. Há cultos no templo, mas nenhuma reunião é mais importante que as células, definidas como “a essência da vida da igreja”. Nessas reuniões, ocorre a chamada “oração profética”, recheada com palavras de ordem ao Diabo: “ordenamos”, “quebramos”, “maniatamos”, etc. Há também espaço para manifestações estranhas, como o “cair no poder” — até as crianças caem.

fazer um julgamento correto sem ser hipócrita, fazer com amor e tolerância, como a Bíblia nos ensina a exortar e reconhecer falsos profetas das atualidades, se não fizermos um julgamento sobre tal aspecto como vamos defender as obras de cristo!!!

Não há como cumprir certas partes da Bíblia sem julgar

Como iremos, sem julgar, reprovar as obras das trevas como nos manda Ef 5. 11? Como iremos, sem julgar, descobrir o disfarce dos falsos mestres como nos manda Jesus em Mt 7. 15? Como saberemos, sem julgar, rejeitar o falso evangelho pregado, como Paulo nos orienta em Gl 1.8? Como iremos rejeitar o sinal da besta descrito em Ap 13.18 sem julgar aqueles que tentarão nos impor o seu uso? Como identificar as heresias destruidoras mencionadas em 2 Pe 2. 1 sem julgar os ensinos dos que a pregarão? Como, sem julgar, saberemos entrar pela porta estreita, rejeitando o caminho largo como nos manda Jesus em Mt 7. 13-14?…

Conclusão

Creio que ficou claro que devemos sim julgar. A Bíblia proíbe o julgamento hipócrita, mas não proíbe julgarmos outras questões importantes da nossa vida. É evidente que julgarmos com violência, desrespeito, preconceito e outras atitudes prejudiciais não é do agrado de Deus. O que está em foco aqui é o julgamento saudável, importante para o ser humano e para a sociedade.

Creio que os que defendem que não devemos julgar, deveriam primeiro avaliar o que a Bíblia diz e depois olharem para si mesmos e observarem que, como todo ser humano, julgam o tempo todo: No trânsito, ao criticar a ação errada de determinado motorista; em casa, ao chamar a atenção de um filho; no trabalho, ao não concordar com a posição do chefe ou lutando contra alguma injustiça; Na igreja, ao questionar alguma doutrina com algum irmão ou lider… e uma última: as mulheres quando acham a roupa da outra horrível também estão julgando (risos)

Assim, julgar é inerente ao ser humano, é aprovado pela Bíblia e faz parte da vida!

5 expressões evangélicas mais sem sentido usadas nas Igrejas 5 – EXORTAR Essa expressão é usada de modo equivocado em 100% das Igrejas. Segundo qualquer dicionário, exortar significa “animar, incentivar, estimular”. Logo, exortar o irmão que está em pecado na verdade não significa repreende-lo. Quem está vivendo no erro não precisa de um incentivo, mas de um auxílio. 4 – LEVITA Essa morreu no Antigo Testamento. Os Levitas eram descendentes da Tribo de Levi, e eram encarregados de TODO O SERVIÇO no Templo. Mas Levita tem sido usado como sinônimo de músico. Besteira pura! Pra começar a música no serviço levítico era a menor das tarefas. A faxina, organização e carregar peso nas costas, isso sim era a parte mais importante do trabalho. Levando em conta que não somos judeus, não somos descendentes daquela tribo e também lembrando que o Templo não existe mais, então estamos dispensados do serviço levítico. Músico é músico. Ponto. 3 – PROFETA Segundo a bíblia, profeta é aquele que revela a vontade de Deus ao povo. Simples assim. Porém tornou-se comum considerar que profeta é uma espécie de adivinho. Heresia pura! Considerando que TODA A REVELAÇÃO está em Cristo Jesus e que o conhecimento acerca desta revelação está contida nas escrituras, um profeta legítimo não deve adivinhar nada, mas proclamar de maneira compreensível as coisas que estão contidas na palavra de Deus. Por isso Paulo afirma que o dom de profetizar é o dom mais excelente. E se você ainda paga pau pra adivinhos, lembre-se que ADIVINHAÇÃO é pecado. 2 – UNÇÃO Como dizem por aí, UNS SÃO, outros NÃO SÃO. Agora falando sério… a expressão unção virou clichê na boca de crente. É unção disso, unção daquilo… tudo sempre buscando atender ao interesse economico; ou garantindo o controle das massas sob o pretexto de que UNÇÃO É PODER. Pra começar no Novo Testamento a palavra unção só é usada no sentido de afirmar que Cristo está em nós. Logo, ter unção é ter Cristo. Em todos os outros contextos, há ensinos explícitos sobre o ato de “ungir” pessoas, que seria orar com óleo, pedindo a Deus por curas específicas. Há algum poder neste óleo? Não mesmo. Mas é bom lembrar que no contexto bíblico, óleo também era considerado remédio para muitas doenças. 1 – ATO PROFÉTICO Essa é a campeã da lista de heresias. Se sua igreja usa essa expressão, então a teologia por aí tem sido profundamente contaminada com valores neopentecostais. Pra começar não existe a expressão “ato profético” na Bíblia. Essa expressão surgiu na verdade como uma tentativa de disfarçar o conceito de podemos fazer coisas que “movem a mão de Deus” na direção de nossos desejos. Ou seja, heresia pura. Meu conselho é… cuidado com as expressões. Por que as mínimas coisas podem revelar grandes besteiras. Vão com Deus! Ops! Como alguém poderia ir “sem Deus”, se Deus é onipresente e está em todos lugares mesmo antes de eu pensar em me mover?

666, esse número nada tem haver com o número da besta! Entendam o porquê.

A resposta da Bíblia

De acordo com o último livro da Bíblia, o número 666 é o nome da fera, ou besta, de sete cabeças e dez chifres que sai do mar. (Apocalipse 13:1, 17, 18) Essa fera é um símbolo do sistema político mundial que governa sobre “toda tribo, e povo, e língua, e nação”. (Apocalipse 13:7) O nome 666 indica que, do ponto de vista de Deus, esse sistema político é um grande fracasso. Como assim?

Não é um simples número. Os nomes que Deus dá sempre têm um significado. Por exemplo, quando prometeu que faria de Abrão pai de uma multidão de nações, Deus mudou o nome desse servo, que significa “Pai É Enaltecido (Exaltado)”, para Abraão, que quer dizer “Pai de uma Multidão”. (Gênesis 17:5, nota) Do mesmo modo, Deus deu à fera o nome de 666 para representar suas características predominantes.

O número seis significa imperfeição. A Bíblia muitas vezes usa números como símbolos. Sete quase sempre representa algo completo. Como o seis é um a menos que sete, pode ser usado para se referir a algo incompleto ou defeituoso, e às vezes pode estar relacionado aos inimigos de Deus. — 1 Crônicas 20:6; Daniel 3:1.

Três significa ênfase. Quando deseja enfatizar algum ponto, a Bíblia às vezes o repete três vezes. (Apocalipse 4:8; 8:13) Assim, o nome 666 não deixa dúvidas de como Deus encara os sistemas políticos humanos: grandes fracassos. Eles falharam em trazer aquilo que só o Reino de Deus conseguirá — paz e segurança eternas.

A marca da fera

A Bíblia diz que pessoas seguem a fera “com admiração”, chegando a ponto de adorá-la. Por isso, recebem “a marca da fera”. (Apocalipse 13:3, 4; 16:2) Elas fazem isso por prestarem adoração ao seu país, aos seus símbolos ou a sua força militar. Como a obra The Encyclopedia of Religion (Enciclopédia da Religião) declara: “O nacionalismo tem se tornado uma forma dominante de religião no mundo moderno.”*

Como a marca da fera é colocada na mão direita ou na testa de alguém? (Apocalipse 13:16) Ao dar seus mandamentos à nação de Israel, Deus disse: ‘Tendes de atá-los como sinal sobre a vossa mão, e eles têm de servir de frontal entre os vossos olhos.’ (Deuteronômio 11:18) Isso não queria dizer que os israelitas deveriam literalmente amarrar as leis nas mãos ou na cabeça. Na realidade, significava que as palavras de Deus deveriam guiar todas as ações e pensamentos deles. Do mesmo modo, a marca da fera não é uma tatuagem literal com o número 666, mas é apenas uma maneira de se referir àqueles que querem ser liderados pelo sistema político. Os que possuem a marca da fera se colocam como inimigos de Deus. — Apocalipse 14:9, 10; 19:19-21.

sinceridade é tudo, seja sinceros e pare de inventar oque não existe!

O Dom de línguas bíblico

 

Esse importante dom mencionado na Bíblia tem sido incompreendido pelos sinceros irmãos da atualidade. Há mesmo quem afirme que quem não fala em “línguas estranhas” não é batizado com o Espírito Santo (Contrariando totalmente o que está escrito em Efésios 1:13 que afirma sermos selados pelo Espírito a partir do momento em que cremos em Jesus e não no momento em que “falamos línguas estranhas”), ou seja, é uma espécie de “cristão de segunda classe”. Asseguram inclusive que a única prova de ser batizado com o Espírito Santo é falar “língua estranha”.

DEFINIÇÃO E PROPÓSITO:
Segundo a Bíblia, o dom de línguas é a capacidade de falar outra língua conhecida, em outro idioma (esse é o significado do termo grego para “língua”) com o objetivo de anunciar a boa notícia e salvação por meio de Cristo.
Mateus 28:19, 20 diz que devemos “ensinar as pessoas a guardarem todas as coisas…” Observe que, para ensinar, é indispensável conhecer a língua falada do estrangeiro. “A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso.” 1 Coríntios 12:7. Concluímos, obviamente, que o falar em língua deve ter uma utilidade; deve ser, ao menos, inteligível. Lembrando: que tenha um propósito evangelístico.
Esta experiência autêntica aconteceu com os discípulos por ocasião do Pentecostes (A palavra pentecostes é grega e quer dizer “qüinquagésimo (dia)”, pois essa festa era comemorada cinqüenta dias depois da PÁSCOA (Dicionário da Bíblia de Almeida – Sociedade Bíblica do Brasil).):

“Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem. Ora, estavam habitando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu. Quando, pois, se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que se possuiu de perplexidade, porquanto cada um os ouvia falar na sua própria língua. Estavam, pois, atônitos e se admiravam, dizendo: Vede! Não são, porventura, galileus todos esses que aí estão falando? E como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem, tanto judeus como prosélitos, cretenses e arábios. Como os ouvimos falar em nossas próprias línguas as grandezas de Deus?” Atos 2:1-11.

O relato mostra que o dom de línguas foi dado para evangelizar. O verso 6 declara que “cada um ouvia falar na sua própria língua” o que cada seguidor de Cristo dizia e o verso 8 confirma: “e como os ouvimos falar cada um em nossa própria língua materna?” Pela terceira vez exclamaram os estrangeiros: “como os ouvimos falar em nossa própria língua as grandezas de Deus ?” (verso 11).
Havia, naquele lugar, cerca de 18 nações diferentes. Os apóstolos não tinham tempo e nem uma escola para aprender todos aqueles idiomas. Você percebeu? Houve uma “NECESSIDADE” de pregar o evangelho em um lugar onde havia muita gente (Deus não poderia perder aquela oportunidade!); por isso, o Senhor deu-lhes o dom de línguas estrangeiras. Note que os discípulos não falaram palavras ou sílabas sem sentido. Eram compreendidos em outros idiomas.
Há dois aspectos importantes a analisarmos o dom de línguas em Atos 2:

a) A mensagem de Pedro centralizava-se em Jesus (Atos 2:22-36);

b) O dom de línguas não foi acompanhado por um êxtase sentimental descontrolado. Observe que a mensagem foi compreendida de forma a haver resultados: 3.000 pessoas foram batizadas! (Atos 2:41);

c) Paulo também afirma que as palavras usadas no dom são idiomas que precisam ser entendidos pelos ouvintes para que se convertam a Cristo. Não adianta nada falar num idioma que a pessoa não conheça: “Agora, porém, irmãos, se eu for ter convosco falando em outras línguas, em que vos aproveitarei, se vos não falar por meio de revelação, ou de ciência, ou de profecia, ou de doutrina? É assim que instrumentos inanimados, como a flauta ou a cítara, quando emitem sons, se não os derem bem distintos, como se reconhecerá o que se toca na flauta ou cítara? Pois também se a trombeta der som incerto, quem se preparará para a batalha? Assim, vós, se, com a língua, não disserdes palavra compreensível, como se entenderá o que dizeis? Porque estareis como se falásseis ao ar.” 1 Coríntios 14:6-9.

“Assim vós, se com a língua não disserdes palavras compreensíveis, como se entenderá o que dizeis? Porque estaríeis como se falásseis ao ar” (ler também 1 Coríntios 14: 18, 19, 23).

d) O dom de línguas é um sinal para os descrentes a fim de que ouçam as maravilhas de Deus no idioma deles. Não é um sinal para os crentes, conforme 1 Coríntios 14:22: “De sorte que as línguas constituem um sinal não para os crentes, mas para os incrédulos; mas a profecia não é para os incrédulos, e sim para os que creem.”

Portanto, tal dom não deve ser usado para orgulho pessoal. O dom de línguas é concedido para evangelizar outras pessoas de outras nações que não conhecem ao Salvador.

REGRAS A SEREM SEGUIDAS NO USO DO DOM DE LÍNGUAS:
1) No máximo três pessoas devem falar, de forma sucessiva e organizada, um de cada vez – 1 Coríntios 14:27;

2) Deve haver tradutor (intérprete) – 1 Coríntios 14:28;

3) Precisa ser entendido por todos – Atos 2:9-12;

4) Cumprir o papel de edificar a igreja edifica a Igreja estando subordinado ao dom de profecia (1 Coríntios 14:1, 5, 26).

5) Ser enriquecido pelo amor aos irmãos – 1 Coríntios 13:1 e 9.

Muitos cristãos de hoje ferem essas cinco regras frontalmente. Em muitas congregações, por exemplo, há certo número de pessoas e todos querem falar ao mesmo tempo. Não pode haver intérpretes porque os que falam não sabem o que estão falando.
Observação: Por que utilizar o dom de línguas no Brasil se todos falam o português?

OUTROS ASPECTOS IMPORTANTES A SEREM AVALIADOS SOBRE O DOM
1. A gritaria não pode fazer parte da manifestação de qualquer dom – Efésios 40:30, 31;

2. A pessoa tomada pelo Espírito Santo tem paz e domínio próprio (Gálatas 5:22, 23), ou seja, não cai no chão.

3. O dom de línguas não provoca desordem na igreja. Em 1 Coríntios 14:33, 40 é dito que “Deus não é de confusão e sim de ordem e paz.” A obra de Deus sempre se caracteriza pela calma e a dignidade. Havendo barulho, choca os sentidos (ler Mateus 6:6; Gálatas 5:22, 23). Lembremos de que Deus não é surdo.

4. O Espírito Santo somente é concedido aos que obedecem a Deus (Atos 5:32). Será que os que se dizem possuidores do Espírito Santo guardam todos os mandamentos de Deus? (ver Tiago 2:10). A pessoa que conhece a Palavra e de livre vontade desobedece a Deus, não tem o Espírito Santo, mesmo que possa parecer! “O que desvia os ouvidos de ouvir a lei, até a sua oração será abominável.” Provérbios 28:9.

5. O fato de alguém falar em línguas não é prova de tenha sido batizado(a) pelo Espírito Santo. A Bíblia apresenta diversas pessoas que receberam o Espírito Santo e, contudo, não falaram em línguas, pois não era necessário. São elas:
• Os samaritanos (Atos 8:17);
• Maria (Lucas 1:35);
• Estevão (Atos 6:5; 7:55);
• Saul, o primeiro rei de Israel (l Samuel 10:10);
• Gideão, juiz de Israel (Juízes 6:34);
• Sansão, outro juiz (Juízes 15:14);
• Zacarias, pai de João Batista (Lucas 1:67);
• Bezalel, em tempos remotos (Êxodo 31:1-3);
• João Batista e sua mãe (Lucas 1:15 e 41);
• Os sete diáconos (Atos 6:1-7);
• Jesus Cristo (Lucas 3:22).
Vemos que Jesus nunca falou em línguas. Claro que tinha! Ele não usou esse dom porque não havia uma necessidade evangelística para tal. Exigir que todos os irmãos falem em línguas é querer dirigir o Espírito. É ir contra a soberania dEle, pois somente Deus Espírito Santo é quem distribui os dons como Ele quer: “Porém é um só e o mesmo Espírito quem faz tudo isso. Ele dá um dom diferente para cada pessoa, conforme ele quer.” 1 Coríntios 12:11.

6. O termo “língua dos anjos” só aparece em l Coríntios 13:1, quando Paulo afirma: “Ainda que eu fale a língua dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.” O apóstolo está apenas destacando que, mais importante que falar a língua dos homens e dos anjos, é ter amor. Não está afirmando que essa manifestação estranha de língua angélica fizesse parte de nossa pregação (leia Gênesis 18 e Apocalipse 22:8, 9, onde os próprios anjos falaram idiomas humanos para que pudessem ser compreendidos! Leia também Gênesis 19:15; Lucas 2:8-14; 1:16-18).

7. Em Marcos 16:17 é dito: “Estes sinais hão de acompanhar aqueles que creem: em meu nome, expelirão demônios: falarão novas línguas.” O que significa “falar uma nova língua” na Bíblia? O texto original grego responde. Há duas palavras gregas diferentes para descrever o termo “novas” línguas: neós e kainós.

• Neós é algo novo que não existia antes.
• Kainós é algo novo que já existia.
A palavra empregada em Lucas 16:17 é kainós, indicando assim que as “novas línguas” faladas pelos discípulos de Jesus seriam novas apenas para eles que não as conheciam, mas elas já existiam!

ILUSTRAÇÕES
Ilustração 1: A pessoa tinha um carro, ano 2007, e trocou por um 2008. Para a pessoa que comprou, o carro é novo. Significa novo na “experiência”, pois o carro já existia. Assim é o dom de línguas em Marcos 16:17. Para a pessoa que aprendeu a nova língua, é nova (Kainós), mas o idioma já existia, era falado por um grupo de pessoas.

Ilustração 2: Certa vez, um pastor foi em um culto para “testar” se realmente aqueles cristãos entendiam o que estavam dizendo. No decorrer da programação ele recitou o Salmo 23 em grego. Um dos membros daquela igreja levantou-se e foi “interpretar” o que o pastor disse. Afirmou que Deus estava pedindo para que todos entregassem o coração a Jesus, sendo que o pastor apenas falou o Salmo 23 em grego, e ainda por três vezes! Imagine que “balde de água fria” foi para a congregação quando o pastor disse o significado verdadeiro das palavras e que o suposto tradutor estava mentindo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A língua falada é um sistema de linguagem em que os seres humanos, dotados de inteligência, se comunicam e se entendem perfeitamente. As “línguas estranhas” faladas em muitos cultos de hoje nada têm em comum com as mais de 3.000 línguas e dialetos existentes na Terra.
Por conseguinte, não possuem importância evangelística e nem servem para identificar quem é cristão consagrado ou não (lembre-se Efésios 1:13).
A teoria de que o genuíno dom de línguas se manifesta hoje na forma de línguas estáticas, não faladas atualmente por qualquer povo ou nação, carece de fundamento bíblico.
As várias alusões, na Versão Almeida Revista e Corrigida, a “línguas estranhas” (1 Coríntios 14) não aparecem no texto original grego (O termo línguas estranhas foi acrescentado pelo tradutor para tentar “facilitar” a compreensão do texto. Entretanto, dificultou mais ainda, dando apoio à idéia de que o dom de línguas bíblico é algo ininteligível) onde a expressão usada é simplesmente “línguas”.
Portanto, se estou falando a você em Francês (língua estrangeira) e você não sabe nada de Francês, para você estou falando língua estranha, pois não pode ser entendida. Mas isso não quer dizer que o Francês é um idioma que não pode ser entendível por ninguém. Daí surge a necessidade do intérprete.
Segundo nossos dicionários, interpretar é a “arte de determinar o significado preciso de um texto ou lei”, “fazer entender”. Traduzir é apenas converter cada palavra de seu estado estrangeiro (estranho) ao corrente (entendível). Portanto, não existe tradução sem interpretação.
E, não esqueça: o dom de línguas em Atos 2 (Atos 10, 19, 1 Coríntios 12-14) tem sempre um propósito evangelístico.
Se quiser aprofundar-se ainda mais no assunto, mantenha contato conosco.

Qual é o papel do Espírito Santo em nossas vidas hoje?

Resposta: De todos os presentes que Deus tem dado à humanidade, não há um maior do que a presença do Espírito Santo. O Espírito tem muitas funções, papéis e atividades. Primeiro, Ele trabalha nos corações de todas as pessoas em todos lugares. Jesus disse aos seus discípulos que enviaria o Espírito ao mundo para convencer “o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (João 16:7-11). Todas as pessoas têm uma consciência de que Deus existe, quer admitam ou não, pois o Espírito aplica as verdades de Deus às mentes dos homens para convencê-los com argumentos suficientes e justos de que são pecadores. Responder a essa convicção leva os homens à salvação.

Quando somos salvos e pertencemos a Deus, o Espírito passa a residir em nossos corações para sempre, selando-nos com a promessa que confirma, certifica e assegura nosso estado eterno como Seus filhos. Jesus disse que enviaria o Espírito para ser nosso Consolador, Conselheiro e Guia. “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco” (João 14:16). A palavra grega traduzida como “consolador” significa um que é chamado para o lado de alguém, e dá a ideia de alguém que encoraja e exorta. A palavra para “esteja” tem a ver com sua residência permanente nos corações dos crentes (Romanos 8:9; 1 Coríntios 6:19, 20; 12:13). Jesus enviou o Espírito como uma “compensação” por Sua ausência, para executar as funções que Ele mesmo teria executado se tivesse permanecido pessoalmente conosco.

Uma dessas funções é revelar a verdade. A presença do Espírito dentro de nós nos capacita a entender e interpretar a Sua Palavra. Jesus disse aos seus discípulos: “quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade” (João 16:13). Ele revela a nossas mentes o conselho completo de Deus em relação ao louvor, doutrina e vida cristã. Ele é o verdadeiro guia, indo na nossa frente, mostrando o caminho, removendo os obstáculos, abrindo as portas para o entendimento e fazendo todas as coisas claras e evidentes. Ele nos mostra o caminho que devemos seguir em todas as coisas espirituais. Sem um guia assim, seríamos propensos a cair em erro. Uma parte crucial da verdade que Ele revela é que Jesus é quem disse ser (João 15:26; 1 Coríntios 12:3). O Espírito nos convence da divindade e procedência de Cristo, assim como de Sua encarnação, de Sua identidade como o Messias, de Seus sofrimentos e morte, de Sua ressurreição e ascensão, de Sua exaltação à mão direita de Deus e de Sua função como o Juiz de tudo. Ele dá glória a Cristo em tudo (João 16:14).

Uma outra parte de sua função é distribuir dons. 1 Coríntios 12 descreve os dons espirituais outorgados aos crentes para que possamos funcionar como o corpo de Cristo na terra. Todos esses dons, grandes e pequenos, são dados pelo Espírito para que possamos ser Seus embaixadores ao mundo, mostrando Sua graça e glorificando a Ele.

O Espírito também funciona como o produtor de fruto em nossas vidas. Quando Ele habita em nós, Ele começa o processo de colher fruto em nossas vidas – amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio (Gálatas 5:22-23). Esses não são frutos da carne, que é incapaz de produzir tal fruto, mas são os produtos da presença do Espírito em nossas vidas.

O conhecimento de que o Espírito Santo de Deus passou a residir em nossas vidas, que Ele executa todas essas funções tão milagrosas, que Ele habita conosco para sempre e nunca vai nos abandonar ou deixar – tudo isso é motivo de grande alegria e conforto. Graças a Deus por esse Presente tão precioso – o Espírito Santo e Seu trabalho em nossas vidas!

Importante demais para deixar pra lá.

IMPORTÂNCIA DO ENSINO BIBLICO

Versículo chave

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se
envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”. 2Tm 2.15

Pois como crerão naquEle de quem não ouviram falar? E como ouvirão se não há quem ensine / pregue? Rm. 10:14

Introdução

Nós, da congregação do bairro José Nitro, estamos muito felizes pois estamos construindo nossa igreja própria; isso realmente é maravilhoso. No ultimo Domingo, estávamos trabalhando na construção, em meio a tantos assuntos um jovem perguntou: “Por que não podemos adorar imagens?” 
Eu, em tom de brincadeira perguntei: “Tu não conheces os dez mandamentos?”
Melhor seria se eu não tivesse feito essa pergunta, a resposta veio mais forte que um tapa em meu rosto:
Como eu vou saber se ninguém me ensina!”

A importância do ensino acerca das coisas de Deus fica evidente quando aprendemos na
bíblia que essa era uma das principais funções do Senhor Jesus em seu ministério
terreno. E percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando… (Mt 4.23a) Este ministério não
era exclusividade dele, tem sido uma ordem aos seus seguidores. Portanto, ide (“indo”, por onde andares), ensinai
todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou
convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém (Mt 28.20)! Essa ordem
foi prontamente obedecida pelos apóstolos e hoje não pode ser diferente. E todos os
dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar e de anunciar Jesus Cristo (At.
5.42). Era uma das maiores preocupação de Paulo para com os ministros que ele
formava. 1Tm cap. 4 …manda estas coisas e ensina-as (v,11) …persiste em ler, exortar e
ensinar (v,13) …tem cuidado de ti mesmo e da doutrina… (v,16). E o que de mim, entre
muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também
ensinarem os outros (2Tm 2.2).
Deus não quer que sejamos meninos na fé
A falta de conhecimento bíblico, principalmente entre os que estão a mais tempo na fé, é
um desastre na ótica divina, quanto mais àqueles que estão envolvidos com a obra. O
plano de Deus é que o homem seja progressivamente aperfeiçoado, mas isso é
impossível sem o aprendizado da palavra de Deus. A esses negligentes, a Bíblia os
chama de meninos na fé. Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais
de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de
Deus; e vos haveis feitos tais que necessitais de leite e não de sólido mantimento.
Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da
justiça, porque é menino. Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em
razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem quanto o mal
(Hb 5.12-14).

A autoridade das Escrituras

A Bíblia é a maior autoridade da igreja, estando nela toda a revelação e vontade de
Deus, não pode de forma nenhuma ser omitida ou acrescentada. Nada acrescentareis à
palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do
SENHOR, vosso Deus, que vos mando (Dt. 4.2). Toda palavra de Deus é pura; escudo épara os que confiam nele. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te
repreenda, e sejas achado mentiroso (Pv 30. 5,6). Porque eu testifico a todo aquele que
ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa,
Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; e, se alguém tirar
quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da arvore da vida e
da Cidade Santa, que estão escritas neste livro (Ap 22.18,19). 
Os crentes de Beréia foram considerados nobres, pois: …de bom grado receberam a
palavra, examinado cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim… (At. 17.11);
por mais autoridade que os apóstolos tivessem, os bereanos entendiam que nenhum
ensino deve ser acatado por quem quer que seja sem antes passar pelo crivo da palavra
de Deus. Os crentes da igreja primitiva não inventavam, não tinham modismos nem
achologias, todos os seus argumentos sempre estavam fundamentados na palavra de
Deus, e isso não deve mudar nunca! Porque com grande veemência convencia
publicamente os judeus, mostrando pelas Escrituras que Jesus era o Cristo (At 18.28).
Aprender e ensinar, o papel da igreja
Deus se revela através das Sagradas Escrituras. Em todos os tempos esse foi o maior
recurso usado por Deus para instruir o seu povo. Não há se quer uma citação que nos
desencoraje a buscar tal conhecimento, pelo contrário, a falta dele nos traz muitos
danos. O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste
o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim;
visto que se esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos (Os
4.6). Vemos tais princípios quando o Senhor recomenda seu livro a Josué. Não se
aparte da tua boca o livro desta lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas
cuidado de fazer tudo quanto nele está escrito; porque, então, farás prosperar o teu
caminho e, então, prudentemente te conduzirás (Js 1.8).

O que disse Jesus acerca das Escrituras

Quando Jesus foi tentado pelo diabo no deserto, ele nos deixou um grande exemplo no
tocando ao uso e convicção das Sagradas Escrituras. …está escrito…(Mt 4.4,7,10). Se
alguém julga ser de pouca importância a necessidade de aprendizado para conhecimento
da Bíblia, atente para esta exortação de Jesus: …Errais, não conhecendo as Escrituras…
(Mt 22.29). 
Uma observação interessante: O maior capítulo da Bíblia é o salmo 119, ele tem 176
versículos e todos exaltam a palavra de Deus usando termos como: lei, testemunhos,
caminhos, mandamentos, estatutos, palavra, juízos, preceitos, promessas, etc…

Visão da Igreja

A Igreja deve reconhecer a autoridade da palavra de Deus, reconhecer a
necessidade do ensino e aprendizado da Bíblia e entender que ela é a base do nosso
trabalho eclesiástico; e recomendar o uso contínuo, a leitura e meditação da mesma. Os ministros devem se colocar a disposição para instruir todos os membros nas
Sagradas Escrituras, pois cremos que a Bíblia é a infalível palavra de Deus.

Aplicação pessoal

– Faça dos ensinos da Bíblia a sua filosofia de vida.
– Tenha a leitura da Bíblia uma necessidade tão grande quanto a necessidade de comida.
– Não aceite nenhuma proposta, ou argumento, ou ensino que seja contrário aos ensinos
da Bíblia, faça como os crentes de Beréia.
– Saiba que Deus não é do jeito que você imagina, mas do jeito que Ele se revela nas
Escrituras.
– Sempre compartilhe com seu próximo as verdades que você aprende, faça discípulos.

Questionário

 O que você acha que aconteceria caso Jesus só pregasse e curasse, mas não
ensinasse seus seguidores?
 Se alguém vier com a bíblia até você para questionar a tua fé, você está
preparado para se defender mencionando o que está escrito?
 O que você acha que os bereanos fariam caso o ensino dos apóstolos não
estivessem de acordo com as Escrituras?
Você está disposto (a) a abrir mão de alguma coisa para aprender mais acerca
das Escrituras ou isso não é importante pra você?

Outras referências

– Dt 17.19 E o terá consigo e nele lerás todos os dias da sua vida, para que aprenda a
temer ao SENHOR, seu Deus, para guardar todas as palavras desta lei e estes
estatutos, para fazê-los.
Is 8.20 À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a
alva.
– Is 34.16 Buscai no livro do SENHOR e lede; nenhuma dessas coisas falhará, nem uma
nem outra faltará, porque a sua própria boca o ordenou, e o seu Espírito mesmo as
ajuntará.
– Rm 15.4 Porque tudo que dantes foi escrito para nosso ensino foi escrito, para que,
pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança.- 1Tm 3.2 Convém, pois que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher,
vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar (não para dizer: “Vá e aprenda, busque”). 
Pois como crerão naquEle de quem não ouviram falar? E como ouvirão se não há quem ensine / pregue?

A importância de estudar a Bíblia!

.Saia desse engano que não visa sua salvação, oque está em jogo é sua vida eterna, saia dessa moda que tomou conta do mundo, Deus ama sua criação, mais ele também é justo, volte para o evangelho verdadeiro e genuíno, não faça de Deus moeda de troca, Deus não faz barganha com o povo dele, por falta de conhecimento muito vão perder a chance de conhecer Deus, peça discernimento para entender sua palavra, leia pesquise busque conhecimento, ouça com atenção esses louvores que não edifica nada nosso Senhor, louvores baseado no homem, eu quero, me dá, é meu! Louvores de dor de cotovelo, nada disso é pra Deus, Deus e um ser Santo, santo demais para nosso olhos e ouvidos, se ousarmos tentar Deus, estaremos acabados, os anjos serafins não se atrevem a olhar para Deus, pois eles seriam eliminado, o temor e tremor deveria ser algo iminente dá nossa parte para com nosso senhor Deus, toda honra toda glória todo louvor é dele e pra ele, Deus precisa ser tratado como nosso maior bem, Deus tem que ser respeitado por ser nosso Senhor.

Vejo a ruína de toda uma nação, voltada para coisas humanas, vejo cristão se prostituindo, na ganância por dinheiro, vejo a fome de inocente perdido num evangelho fraco torpe, corrompido por lobos devoradores.

Onde foi que esse povo se perderam, dando ouvidos para pregadores de uma falsa igreja, que não fala da cruz, que não prega arrependimento, onde está aquele velho e verdadeiro evangelho que canta hinos dá harpa cristã, tem louva com a verdade bíblica….onde está aquela igreja que visita doente, pessoas famintas, que dividi o pão, onde onde está o crente que chora, pelo seu irmão que estende a mão, onde está o pastor que busca sua ovelha no aprisco, que socorre, que alimenta, chega de Show, chega de roubar de fiéis, as obras de Deus é muito mais fácil do que supostamente esses falsos profetas estão ensinando,

Ajudar órfãos, e viúvas, irmãos de fé, pessoas famintas.

Ser bom e caridoso, oque der com a direita, e a esquerda não veja.

Visitar enfermos em hospitais.

Ser manso e compreensivo,

Visitar prisioneiros, E saiba Deus é o único que pode julgar, exercer o amor gera em nós um carácter divino, exortação dá palavra pura sem trocadilhos, sejamos pacientes, deixar nossos conflitos de fora, e saiba que é melhor dar doque receber,

Paz a todos, Deus abençoe!

 

As causas das maldições

Muitas pessoas se perguntam o por quê de certas coisas más acontecerem com umas pessoas e não com outras, ou ainda, por que certas ondas de azar acontecem. Várias pessoas atribuem a má sorte a feitiços e ações eventuais como a quebra de um espelho, passar por debaixo de escada, etc. E para combater essa má sorte se valem de vários recursos e patuás, contudo aqui não trataremos da questão da sorte, boa ou má, e sim da maldição, pois muitos confundem uma coisa com outra.
Sorte é coisa passageira e não tem causa especifica, pode vim a qualquer um.

Observei ainda e vi que debaixo do sol não é dos ligeiros a carreira, nem dos fortes a peleja, nem tampouco dos sábios o pão, nem ainda dos prudentes a riqueza, nem dos entendidos o favor; mas que a ocasião e a sorte ocorrem a todos. Eclesiastes 9:11

maldição ela pode até ser passageira, mas tem causa especifica.
Como o pássaro no seu vaguear, como a andorinha no seu voar, assim a maldição sem causa não encontra pouso. Provérbios 26:2

Então comecemos.

O que é maldição?

A primeira coisa a fazermos para compreendermos as causas das maldições é sabermos o que é realmente uma maldição!
Na Bíblia existem 06 palavras em hebraico e 04 palavras em grego para designar a maldição, e cada uma com significados específicos. Mas, não ficaremos nas explicações sobre os tipos de maldição, a colocaremos aqui de forma genérica, para entendermos melhor suas causas.

Maldição é mal dizer, ou seja, resumidamente, é falar mal de alguém, diminuir por meio de palavras, falar palavras de má sorte, ridicularizar.

Na antiguidade, e até hoje em dia, muitas pessoas acreditam no poder mágico das palavras, assim como, se você dizer tal coisa, isso ira acontecer. Veja no meio evangélico, existe a questão de “profetizar”, “a palavra tem poder”, e fora do mundo evangélico essa ideia persiste através de rituais, mantras, rezar, mandingas, benzeduras, etc.
Porém a Bíblia declara que só a Palavra de Deus é que tem o poder de fazer algo miraculoso acontecer. Claro que as palavras humanas têm efeito prático, exemplo disso é a psicologia, que de fato é uma “cura pelo falar” e se uma mãe, por exemplo, ficar dizendo constantemente a seu filho: “você não presta”, provavelmente a criança introjectará essa ideia, e poderá não prestar mesmo. Mas esses não são efeitos miraculosos e sim humanos.
Enfim tanto a benção de Deus como as maldições estão condicionadas a alguma ação, escolhas ou posturas humanas, aprovadas ou reprovadas por Deus, e não a falas ou atos, mesmo proféticos, que são invocações mágicas meramente, e são essas condições e motivos relativas as maldições que iremos ver.

O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência. Deuteronômio 30:19

1º Motivo da maldição: Quem desobedece a Lei de Deus.

Se, porém, não ouvires a voz do Senhor teu Deus, se não cuidares em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos, que eu hoje te ordeno, virão sobre ti todas estas maldições, e te alcançarão: Deuteronômio 28:15
A maldição é o contrario da benção, e a benção esta condicionada a obediência, então a desobediência gera a maldição, notem porem que os mandamentos foram feitos para o bem do ser humano, assim o descumprimento desses mandamentos de Deus gera males, seria como se um doente não tomasse os medicamentos indicados pelo médico.

2º Motivo da maldição – Quem amaldiçoa é amaldiçoado.

Abençoarei aos que te abençoarem, e amaldiçoarei àquele que te amaldiçoar; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. Genesis 12:3
Este é o principio da semeadura, o que o homem planta ele colhe, sendo assim se alguém amaldiçoa outro, receberá esta maldição para si, pois a maldição só vem com uma causa, perceba a Bíblia condena severamente os maldizentes e murmuradores. Então perceba que o versículo acima Deus não diz que vai abençoar Abraão e sim as pessoas que abençoarem a ele e por causa disso também Abraão seria o canal de benção para as famílias da terra. Em suma tanto a benção como a maldição são condicionais a postura do homem.

3º Motivo da maldição – Quem confia no homem

Assim diz o Senhor: Maldito o varão que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor! Jeremias 17:5

Todo homem é instável, ou seja, ele pode mudar ou estar errado, além do fato da mentira e falsidade ser real na vida humana, por esses motivos o homem não é confiável, porém a questão da confiança no homem que a Bíblia se refere, vai muito além de ter pessoas confiáveis ou não, a gestão é não por sua confiança e esperança no homem, no poder humano e nas coisas materiais; por exemplo, a pessoa crer que terá um emprego, pois conhece alguém importante (pistolão), ou ainda espera uma velhice segura, pois tem um bom plano de aposentadoria; ficará rico porque fez bons investimentos, Jesus chama essas pessoas de locos na parábola do rico insensato, pois para Deus o homem é vaidade.
É melhor refugiar-se no Senhor do que confiar no homem.
É melhor refugiar-se no Senhor do que confiar nos príncipes. Salmo 118: 8-9

3º Motivo da maldição – Quem faz a obra de Deus relaxadamente

Maldito aquele que fizer a obra do Senhor negligentemente, e maldito aquele que vedar do sangue a sua espada! Jeremias 48:10

Ninguém gosta de ter um funcionário, ou até um serviço feito para si de forma negligente, relaxada. Imagine alguém construindo sua casa de qualquer jeito, ou fazendo sua comida sem o mínimo de cuidado e higiene; logicamente estes fatos geram revolta no ser humano, quanto mais no coração de Deus, que é zeloso. Sendo assim esta pode ser uma das grandes causas de maldição entre os crentes, pois veja uma ideia corrente de fazer as coisas sem o devido zelo e preparo, então depois de se perceber que a coisa não esta boa se diz: “É para Deus, Ele aceita”. Na Biblia Deus manda entregar este tipo de oferta aos ilustres da comunidade e amaldiçoa o enganador hipócrita que simula santidade.

Pois quando ofereceis em sacrifício um animal cego, isso não é mau? E quando ofereceis o coxo ou o doente, isso não é mau? Ora apresenta-o ao teu governador; terá ele agrado em ti? ou aceitará ele a tua pessoa? diz o Senhor dos exércitos.
Mas seja maldito o enganador que, tendo animal macho no seu rebanho, o vota, e sacrifica ao Senhor o que tem mácula; porque eu sou grande Rei, diz o Senhor dos exércitos, e o meu nome é temível entre as nações. Malaquias 1: 8 e 14

Então compare certos cultos e apresentações, eles seriam feitos da mesma forma se fossem exibidos em uma rede de televisão, por exemplo?
Dentro deste conceito de negligencia esta inserido também a falta de cuidado com a casa de Deus, a infidelidade e o deixar de buscar a Deus e isso esta relacionado em Malaquias 2 e Oseías 4, comparativamente o dizimo, ofertas e o estudo da Palavra de Deus.

4º Motivo de maldição – Quem não produz fruto

Então Pedro, lembrando-se, disse-lhe: Olha, Mestre, secou-se a figueira que amaldiçoaste. Marcos 11:21

Nós fomos criados para produzirmos, exemplo disso é que uma das primeiras ordens dadas ao primeiro casal foi para serem fecundos e encherem a terra.
Por causa disso é que no Novo testamento vemos Jesus só uma vez amaldiçoando algo, que foi justamente a árvore que não tinha fruto, e veja que nem era o tempo propicio para isso, não era tempo de figos (Marcos 11:13).
Sendo assim podemos estar sendo amaldiçoados se não tivermos em nossos corações o interesse de produzir:
Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento. Marcos 3:8
Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade. Gálatas 5:22

E o fruto do crente que é um outro crente.

5º Motivo de maldição – Quem distorce a Palavra de Deus

Agora, ó sacerdotes, este mandamento e para vós.
Se não ouvirdes, e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o Senhor dos exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amaldiçoarei as vossas bênçãos; e já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o vosso coração. Malaquias 2:1-2

Entendimento errado da Palavra sempre existiu e continuará existindo, pois somos falhos, porém cabe a nós estarmos atentos para ouvirmos a correção de outros que Deus usa para corrigir a sua igreja. Veja o exemplo do que talvez seja a primeira interpretação errada do que Jesus disse:

Ora, vendo Pedro a este, perguntou a Jesus: Senhor, e deste que será?
Respondeu-lhe Jesus: Se eu quiser que ele fique até que eu venha, que tens tu com isso? Segue-me tu.
Divulgou-se, pois, entre os irmãos este dito, que aquele discípulo não havia de morrer. Jesus, porém, não disse que não morreria, mas: se eu quiser que ele fique até que eu venha, que tens tu com isso? João 21: 21-23

Então veja a sutileza do erro Jesus não afirmo, Ele simplesmente questiona a Pedro, perceba que o diabo usou a mestra estratégia de deturpação da Palavra de Deus com Eva:
Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais do campo, que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim? Genesis 3:1
O diabo deturpou a Palavra colocou uma pergunta para questionar uma afirmação, e em João 21 o engano é colocar uma pergunta como afirmação. Contudo essas são coisas que muito acontece e a maldição vem pelo não se deixar corrigir pelo Espírito de Deus, nem buscas a Palavra, deixando-se levar por seus desejos carnais.
Foi isso que aconteceu com Eva, ela achou que a fruta era boa, os sacerdotes amaldiçoados citados em Malaquias faziam acepção de pessoas, e é assim sempre deixa-se a Palavra de Deus por algum desejo humano e quando vem a correção não aceita pois amam as benesses do erro.

Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus. Mateus 5:19
O erro estar em permanecer com a atitude pecaminosa, seria como esperar pelas recompensas nesta terra, porém a pessoa não percebe que esta sob uma maldição, exemplo disso podemos citar como a avareza, pois a pessoa corre a procura de dinheiro, e quanto mais tem, mais é escravo dele.

Conclusão

Ninguém no mundo é perfeito, porém para Deus a perfeição humana é ter um coração arrependido, e disposto a voltar para Ele. E é bom lembrar sempre que Deus perdoa todos os tipos de pecado, menos Blasfêmia contra o Espírito Santo, que basicamente é não aceitar a correção dEle própria, e não se converter a Jesus.
Portanto vos digo: Todo pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada. Mateus 12:31

Por que.

E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo:
do pecado, porque não crêem em mim;
da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais,
e do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. João 16:8-11

10 motivos para deleitar-se em ser escolhido

Pedro disse para os exilados eleitos – isto é, para os cristãos espalhados por todo o Império Romano – “Vocês são raça eleita, sacerdócio real, nação santa, propriedade escolhida do Senhor” (1Pedro 2:9)

 

Ele quis dizer isso como um enorme incentivo para uma pequena minoria sitiada, perseguidos em um vasto mar de descrença e crescente hostilidade. Os adversários podem parecer poderosos, numerosos e dominadores, mas olhe de novo, vocês são os escolhidos de Deus, “sUa propriedade exclusiva”. Querido cristão sofredor, Pedro diria: Você consegue sentir o que isso significa???

Deleite-se em ser escolhidos de Deus! Razões para tal:

 

  1. Sua fé não é a base para que Deus tenha te escolhido, mas ela é o resultado dessa escolha.

Isto significa que sua fé e uma maravilha – mais maravilhosa do que qualquer uma das 7 maravilhas do mundo. Jesus disse: “ Você não me escolheu mas Eu te escolhi (John 15:16).

Existiu uma escolha mais profunda do que a seleção dos 12 apóstolos.

Nos sabemos disso porque Judas era parte dos 12 e ele não era “escolhido”.   Jesus disse: “ Não estou me referindo a todos vocês, conheço os que escolhi. Mas isto acontece para que se cumpra a Escritura: “Aquele que partilhava do meu pão voltou-se contra mim” (João 13:18 NVI).

Se você vem para Jesus, a maravilha é essa, você já pertencia ao Pai e o Pai te deu para Jesus.   Você não foi escolhido porque você veio, você veio porque você foi escolhido. Isso foi o que Jesus disse “Todos aquele que o Pai me der vira a mim… Eles eram teus; tu os destes a mim (John 6:37; 17:6 NVI).

 

Se você acredita em Jesus, a maravilha é que você estava previamente destinado para a vida eterna. Você não foi predestinado porque você acreditou, ao contrario, você acreditou porque você foi predestinado. Quando os gentios ouviram o Evangelho incluindo os mesmos, “ eles se alegraram e bendisseram a palavra do Senhor, e creram todos os que haviam sido designados para a vida eterna” (Atos 13:48 NVI).

 

Deleite-se com a maravilha de que você é um cristão porque Deus te escolheu para ser um. Suas raízes, como um filho de Deus, estão na eternidade – na mente infinita e no coração de Deus. Sua fé e todos os seus frutos são um dom eterno de Deus.

 

 

  1. Portanto, Deus não te escolheu baseado em você, mas baseado na graça.

Olhe por exemplo o povo de Israel do velho testamento. Porque Deus colocou seu favor sobre Israel e não nos outros povos da terra? Qual foi a base escolhida por Deus ao chama-los “meus escolhidos” (Isaías 45:4). Aqui esta a resposta de Moisés:

 

“Pois vocês são um povo santo para o Senhor, o seu Deus, os escolheu dentre todos os povos da face da terra para ser o seu povo, o seu tesouro pessoal. O Senhor não se afeiçoou a vocês nem os escolheu por serem mais numerosos do que os outros povos, pois vocês eram o menor de todos os povos. Mas foi porque o Senhor os amou e por causa do juramento que fez aos seus antepassados. Por isso ele o tirou com mão poderosa e os redimiu da terra da escravidão, do poder do faraó, rei do Egito.” (Deuteronomio 7:6-8 NVI).

 

Isso é maravilhoso: “ O Senhor colocou sEu amor em você e escolheu você…porque o Senhor ama você. : Ele te ama porque ele te ama!!! Isto é o mais profundo e final base da escolha de Deus por Israel.

 

Paulo sublinha essa maravilha. Porque Jacó, o pai da nação de Israel, foi escolhido em detrimento de seu irmão gemeo Esaú? Paulo responde: “Todavia, antes que os gemeos nascessem ou fizessem qualquer coisa boa ou ma – a fim de que o propósito de Deus conforme a eleição permanecesse, não por obras mas por aquele que chama – foi dito a ela: “ o mais velho servira ao mais novo” (Romanos 9:11-12 NVI).

E este principio perdura até os dias de hoje. Paulo diria: “Assim, hoje também há um remanescente escolhido pela graça” (Romanos 11:5 NVI). Isto é para todo cristão verdadeiro. Apesar do que acreditamos– a nossa vinda para Jesus – é somente pela graça. Não há motivos para sermos escolhidos a não ser pelo sábio e incompreensível amor de Deus!

 

 

  1. Desde que nossa fé e obediência é devido a escolhe de Deus por nos, podemos sabem então que somos escolhidos.

 

É lindo que a escolha eterna de Deus de que seremos seus filhos pode ser conhecido por aqueles que Ele escolheu. Paulo disse que ele sabia que os crentes de Tessalonica foram escolhidos de Deus. “Sabemos, irmãos, amados de Deus, que Ele os escolheu” (1Tessalonicenses 1:4 NVI).

 

Como Paulo sabia disso? Como os Tessalonicenses também sabiam disso? Paulo explica, “Sabemos, irmãos, amados de Deus, que Ele os escolheu porque o nosso evangelho não chegou a vocês somente em palavra, mas também em poder, no Espírito Santo e em plena convicção. Vocês sabem como procedemos entre vocês, em seu favor. De fato, vocês se tornaram nossos imitadores e do Senhor, pois apesar de muito sofrimento, receberam a palavra com alegria que vem do Espírito Santo.” (1Tessalonicenses 1:4-6 NVI)

Somente a determinação eterna de Deus para salvar o seu povo escolhido pode explicar o milagre da fé que que recebe a palavra do evangelho com alegria no meio da aflição. Esta é a obra de Deus, e Deus faz este trabalho para salvar os seus eleitos. Se isso já aconteceu com você, você pode saber que você é escolhido.

 

Deixe a beleza disso se aprofundar em você. Sua fé não e uma testemunha de qualquer tipo de poder em você. É um testemunho de Deus de escolher você. Não é um testemunho de algo pequeno como por exemplo auto determinação. É um testemunho do mesmo poder que criou o universo. (Efésios 2:5).

 

  1. Ser escolhido de Deus significa que nenhuma acusação pode permanecer contra nos

 

As muitas maravilhas a respeito de Deus escolhendo seu povo inclui o fato de que Deus enviou seu filho para esse mundo para cancelar todas as dividas doe sEus escolhidos – para anular todas as acusações contundentes contra eles e para dar-lhes uma posição justa no tribunal do céu.

 

“ Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nos, quem será contra nos? Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nos, como não nos dará com ele, e de graça, todas as coisas? Quem fara alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus que os justifica. Quem os condenara? Foi Cristo Jesus que morreu; e mais, que ressuscitou e esta a direita de Deus, e também intercede por nos.” (Romanos 8:31-34 NVI).

 

A razão que nenhuma caga pode fica com os escolhidos de Deus é que Deus “deu o seu filho por nos” e segue-se necessariamente, “Deus nos dará graciosamente todas as coisas “ A maravilha não e apenas que não existe “nenhuma condenação”, mas que tudo isso foi planejado na eternidade para ser bem sucedido. Ele não fez este grande trabalho como um pescador jogando a rede para ver quem pode nadar para ele. Não é por acaso, ou por própria vontade que nos “nadamos” para a salvação de Deus. Isto foi planejado e executado especialmente para nos, os escolhidos. Esta é uma maravilha para ser deleitada.

 

  1. Ser escolhido de Deus nos assegura a doçura da humildade.

 

Quanto mais nos consideramos escolhidos, mais a maravilha disso cresce. Paulo nos diz para considerar isto. A razão que Ele quer que pensemos sobre ser escolhido (você é? Com alegria?) é que vai nos fazer humildes. Aqui esta a passagem que trata esse assunto. Ele começa dizendo para que consideremos nossa “vocação” porque esse chamado – da morte para a vida – é a maneira que experimentamos com o tempo, a escolha que Ele fez na eternidade. Em seguida ele menciona três vezes sermos escolhidos:

 

“Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados. Poucos eram sábios segundo os padrões humanos; poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento. Mas Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios e escolheu o que para o mundo é fraqueza para envergonhar o forte. Ele escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é, a fim de que ninguém se vanglorie diante dele.” (1Corintios 1:26-29 NVI).

 

 

Você vê o ponto??? Deus é livre para escolher quem vai se tornar cristão. E, em sua liberdade, Ele explode todas as expectativas mundanas do que é “especial”. Apenas quando pensamos que entendemos sUa escolha, vemos que Ele tem ido por um caminho diferente. Paulo não nos deixa adivinhar qual é esse ponto. Ele explica “ a fim de que nenhum ser humano pode se orgulhar na presença de Deus. A escolha de Deus é designada para remover a nossa gloria.

 

Qualquer grupo ou pessoa que se gaba de que exista algo neles que justifica Deus de ter-lhes escolhidos, nao sabe realmente o propósito e a consequência dessa escolha que é para a aniquilação de si mesmo baseado do favor de Deus em nos. Nos não fizemos nada – absolutamente nada- para sermos qualificados para ser escolhido.

 

Deleite-se com isso. Você não tem nenhum mérito o qual o qualificou para ser um escolhido de Deus. Isso não existe!!

 

  1. Ser raça eleita é o fim do racismo contra os cristãos.

 

É maravilhoso saber que Deus escolheu um povo para si mesmo, ele anulou os efeitos de autoexaltação de todas as raças e etnias. “Você é uma raça escolhida…uma nação santa” (1Pedro 2:9). A raça escolhida não é branco, negro, asiático ou qualquer outro agrupamento natural.

 

A raça escolhida, são pessoas que nasceram de nova para uma viva esperança (1Pedro1:3). Seu novo DNA é do Espírito Santo. Não é que raça e etnia não são importantes em nossa vida cultural comum, mas não é isso o que nos une a Deus ou a uns aos outros em Cristo. Nos somos nova criatura, nova humanidade. Como Pedro disse: Nova raça! Escolhida raça. A raça tirada de todas as raças.

 

Deus nos escolheu livremente – sem relação nenhuma a raça – para ser esta nova raça. Em seguida Ele enviou seu Filho para nos comprar de todos os grupos étnicos do mundo: “Você estava morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, língua, povo e nação” (Apocalipse 5:9). Desta forma, Ele anulou todo racismo. Ele ligou todas as raças e todas as etnias em uma nova família, com um Pai glorioso. E Ele fez isso na eternidade quando Ele escolheu fazer um povo de todas as raças em uma nova raça.

 

Deleite-se nessa liberdade sem racismo. E ainda sim se vc não conseguir, venha descobrir quem você é, e o que significa ser uma “raça escolhida”.

 

  1. Ser escolhido por Deus significa ser destinado para a eternidade.

 

O objetivo final de ser escolhido é a alegria suprema de estar satisfeito. E essa alegria se aprofunda a medida que compreendemos que nos, seres humanos, fomos projetados para encontrar nossa plena satisfação não em frente a um espelho mas na frende de Deus. Nos fomos feitos para ser espelhos não para olhar no espelho. A alegria de ver essa beleza satisfatória estava destinada a encontrar a sua consumação no reflexo da beleza de Deus e do homem em louvor.

 

Isto é o que Paulo diz em Efésios 1:4-6 “ Deus nos escolheu… e predestinou…para o louvor da gloria de sua graça. “E no caso de nos não entendermos isso, ele diz no verso 12”… para o louvor da sua gloria. “E novamente, no versículo 14, “…para o louvor de sua gloria.” Deus recebe a gloria e exaltação.

 

Deleite-se com a maravilha de que você foi escolhido na eternidade passada para uma alegria sem fim de louvor na eternidade futura.

 

  1. Ser escolhido de Deus significa que Deus vai usar todos os meios necessários para lhe trazer a esta gloria eterna.

 

A maravilha de ser escolhido inclui a maravilha que Deus escolheu os meios para nos trazer para casa. Gloria não e imediata ou automática.

 

Através de muitos perigos e armadilhas, eu vim, Sua graça me deu segurança até agora e essa mesma graça vai me levar pra casa. Desde o nosso novo nascimento até quando formos para a nova terra, teremos provações no caminho. Se Deus não tivesse nos escolhido para ser ajudados por muitos companheiros de viagens (irmãos em cristo) nos não conseguiríamos chegar lá. É por isso que Paulo diz: “ Por isso, tudo suporto por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que esta em Cristo Jesus com a gloria eterna” (2Timoteo 2:10).

 

O próprio Paulo foi um meio escolhido por Deus de salvar os escolhidos. E você também é. E você precisa de outros. Para os escolhidos de Deus os meios são necessários e eles são certos porque Deus os escolheu, tão certo como Ele os escolheu.

 

Deleite-se com a maravilha que você deve lutar para chegar ao céu e Deus vai fazer com que você ganhe essa luta.

 

  1. Ser escolhido de Deus significa que Deus molda a história em seu nome

 

Esta maravilha pode ser demais para nos compreendermos, mas aqui esta: “Se aqueles dias não fossem abreviados, nenhum ser humano seria salvo. Mas por causa dos escolhidos aqueles dias serão abreviados” (Mateus 25:22)

 

O fluxo da história será alterada para o bem dos eleitos. O mundo dos descrentes, que rejeitam a Deus e seu Filho, não tem ideia de como o mundo funciona. Eles não sabem o verdadeiro significado de tudo. Eles vão ficar petrificados ao saber que algum dia, os cristãos, a quem eles desprezavam ou ignoravam foram o pivô de toda a história.

 

  1. Por ultimo, ser escolhido de Deus significa que Ele ira reunir-nos quando Ele vier e nos dará justiça.

 

A maravilha da vingança esta chegando. Pode ser que nessa vida os escolhidos foram tratados como Jesus – uma pedra que os construtores rejeitaram. Mas aos olhos de Deus esta pedra foi “escolhida e preciosa”. E essa mesma pedra se torno a pedra angular do reino de Deus (1Pedro2:6-8). Ele ressuscitou dos mortos. Houve uma gloriosa vingança.

 

Assim será com todos os escolhidos de Deus. “Ele enviara os seus anjos com grande som de trombeta, e estes reunirão os seu eleitos dos quanto ventos, de uma a outra extremidade dos céus (Mateus24:31). E finalmente, isso se tornara realidade: “Acaso Deus não fara justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite? (Lucas 18:7). Sim Ele vai. E tudo que uma vez estava escondido vira a luz.

 

Deleite-se com esta promessa. Você pode se sentir como uma pedra rejeitada por enquanto, mas quando Ele vier, ele vai fazer você uma coluna no templo de Deus (Apocalipse 3:12). Ele triunfara sobre todos os inimigos de sua alma e você reinara com Ele – vocês, os escolhidos. “Pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos Reis; e vencerão com Ele os seus chamados, escolhidos e fieis” (Apocalipse 17:14).

BOA, AGRADÁVEL E PERFEITA

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:2

Afinal, quem não quer experimentar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus? É tudo o que todo aquele que crê em Cristo deseja. E a carta de Romanos nos ensina que para a alcançarmos não podemos nos conformar com este mundo, mas devemos mudar a nossa mente, o nosso entendimento.

Ou seja, muito do que o mundo pensa ser certo, para mim não deve fazer sentido. Só que essa renovação do entendimento não é algo tão simples. Sim, pois somos compostos de razão, carne e com ela, emoções. E a carne milita contra o espírito.

Então, na caminhada vou me deparar com situações em que minha mente diz que não, e o meu corpo diz que sim. Minha mente diz que não, mas minhas emoções dizem sim.

Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. Mateus 26:41

E de repente começa a luta, e você pensa:

– Ora, a vontade de Deus não deveria ser boa, agradável e perfeita? Toda essa luta está me consumindo, estou fraca, triste, sozinha.

Sim, talvez você chegue a questionar tal verdade bíblica. Mas não desanime. A palavra do Senhor é fiel e verdadeira.

A renovação do entendimento é uma prova teórica e prática. E só depois de passar por elas é que você poderá experimentar qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

É necessário primeiro que você absorva os desejos do Senhor para a sua vida. É necessário primeiro que você ame a Deus de todo o seu coração, alma e entendimento, com todas as suas forças. Na hora da luta, é hora de por em prática as suas convicções, a sua fé. E depois, certamente vem a bonança.

Depois de ter sido aprovado na luta, você vai olhar para o seu presente, comparar com o seu passado e vai dizer: valeu a pena. Você vai compreender como teria sido ruim se você desistisse de perseverar. E concluirá que sim, a vontade do Senhor é sempre boa, agradável e perfeita.

Ainda que no meio da luta seja difícil visualizar, veja por meio da fé. O Espírito Santo te fortalecerá. Peça ao Senhor, como Eliseu, diante do impossível, Ele abra os seus olhos espirituais e você contemple a vitória que o Senhor tem preparado para você.

Graça Irresistível Essa página tem a finalidade de postar artigos e/ou documentos de grandes teólogos como: John Piper, John MacArthur, Don Carson, Paul Washer, R.C. Sproul, Spurgeon, John Calvin, Martin Luter e outros traduzidos para o português a fim de a quem interessar, expandir conhecimentos relacionados ao Evangelho de Cristo. Lembrando que, esse trabalho e puramente amador, sem fins lucrativos. Se você tem prazer na palavra de Deus, na aguá viva que Jesus nôs aferece gratuitamente, compartilhem com os seus amgos e irmãos em cristo!

CEGUEIRA ESPIRITUAL!

 

Cegueira espiritual quer dizer não enxergar com os olhos do Espírito de Deus. A pessoa que vê a vida com os olhos da natureza humana vive desorientada, acredita em tudo que os outros falam, se aborrece com qualquer coisa, tem medo de tudo, não sabe como resolver os problemas que aparecem, é enganada com facilidade pelo inimigo e vive estressada, pois não acredita que existe um Deus que pode dar a solução de qualquer situação.
Mas a pessoa que tem os olhos abertos pelo Espírito Santo de Deus não tem medo da violência, das doenças, não se preocupa nas horas de dificuldades e por maior que seja o problema ela sabe que o Deus Todo-Poderoso trará a solução.
O Espírito Santo veio a este mundo para abrir os olhos das pessoas que acreditarem em Seus ensinamentos.
Meus irmãos, vocês vivem cegos neste mundo, sempre perturbados e preocupados com tudo. Vocês acordam com a cabeça cheia de pensamentos sobre o que vão fazer durante o dia. Vocês não enxergam que só Deus pode orientar a sua vida nessa terra. Deus sabe de tudo que você precisa fazer no seu dia. Então por que você não deixa que Ele dirija seu dia? Tente acordar tranqüilo, fazer uma oração pedindo a Deus que administre seu dia e que você veja tudo com os olhos do Espírito. “O que quer dizer enxergar com os olhos do Espírito?” É ver as pessoas e as situações da mesma forma que Deus vê.
A pessoa que tem os olhos espirituais abertos não sente dificuldade em realizar nenhum tipo de trabalho ou tarefa, pois Deus lhe mostra como fazer e por onde começar.
Deus é o Ser Supremo do Universo e o Criador de tudo que existe. Por isso Ele pode te dar sabedoria, inteligência e tranqüilidade para fazer qualquer coisa.
Não importa a sua idade ou sua experiência de vida: se você não tiver comunhão com Deus, será cego espiritualmente. Pois só o Deus Todo-Poderoso pode tirar a veda dos seus olhos e te ensinar o que é bom e o que é ruim.
Ele nos criou e por isso conhece o coração de cada pessoa. Ele nos vê com misericórdia e bondade, mesmo com todos os defeitos que nós temos. Então se você pedir a Ele para ver as pessoas com os olhos do Espírito de Deus, verá as pessoas com misericórdia e bondade. E assim tratará os outros com educação e respeito e ajudará aqueles que precisarem.
Vocês dão importância a bens materiais, estudos, tarefas e trabalhos e se esquecem de buscar o amor. E enquanto vocês gastam seu tempo com as tarefas diárias, não acham tempo para buscar a aproximação com Deus. Preste atenção no que disse Jesus:
“Jesus e os Seus discípulos continuaram a sua viagem e chegaram a um povoado. Ali uma mulher chamada Marta o recebeu na casa dela. Maria, a sua irmã, sentou-se aos pés do Senhor e ficou ouvindo o que Ele ensinava. Marta estava ocupada com todo o trabalho da casa. Então chegou perto de Jesus e perguntou:
– O Senhor não se importa que a minha irmã me deixe sozinha com todo este trabalho? Mande que ela venha me ajudar.
Aí o Senhor respondeu:
– Marta, Marta, você está agitada e preocupada com muitas coisas, mas apenas uma é necessária! Maria escolheu a melhor de todas, e esta ninguém vai tomar dela.” (LUCAS 10 v. 38-42)
A cegueira espiritual os torna escravos das coisas deste mundo, porque vocês não enxergam as conseqüências dos seus atos. Por exemplo: você paga para contrair doenças com o uso de cigarro, bebidas e drogas; maltrata seu corpo com excesso de sol; fere seus sentimentos com paixões devastadoras e desejos fora de controle; faz prestações pagando juros altíssimos para ter o que deseja, se enche de dívidas que depois não dá conta de pagar, ou seja, faz muitas coisas sem enxergar o mal que elas causam.
Deus ensina a Seus servos a serem pacientes e esperar a hora certa para cada coisa.
A cegueira espiritual também faz você andar por caminhos errados, pois satanás te engana facilmente com ilusões e mentiras como feitiçarias, adorar “santos” e outros deuses, querer tudo que agrada aos olhos, se apaixonar pela beleza física das pessoas…
Meus irmãos, quando seus olhos espirituais forem abertos por Deus, vocês enxergarão o quanto foram ignorantes, por não terem dado atenção aos ensinamentos do Espírito Santo.
A maioria dos crentes é cega espiritualmente porque não tem comunhão com Deus e vive de acordo com a natureza humana.
Todos são falhos: todos os dias o ser humano comete erros. Mas você não pode deixar que os desejos da natureza humana e as preocupações te deixem agindo como uma pessoa cega e desorientada. Por isso você deve pedir a Deus que te mostre quem é, quais os seus defeitos, o que faz de errado com os outros e o que desagrada a Ele no seu comportamento. Dessa forma você estará examinando sua vida e dando permissão a Deus para te corrigir e agir em sua vida.
Deus tem a solução para todas as situações e problemas, porque Ele é o Todo-Poderoso e Sua sabedoria é infinita. Se você enxergar as situações com os olhos de Deus, com certeza saberá a melhor maneira de resolver seus problemas e ser correto e honesto com as pessoas.
“E como eu consigo ver as coisas com os olhos de Deus?” Orando e pedindo sempre que Ele abra seus olhos espirituais e sendo obediente aos Seus ensinamentos.
Se você se dedicar a Deus e tiver os seus olhos espirituais abertos, você terá sabedoria e assim poderá fazer tudo o que precisa durante um dia sem se aborrecer ou se preocupar. E o mais importante é que você terá tempo e tranqüilidade para se aproximar de Deus e receber o que Ele tem para dar de mais precioso: o amor e a paz de espírito.
Os fariseus viam o que Jesus fazia, mas por causa da cegueira espiritual não enxergavam o valor que Seus ensinamentos tinham. E por causa do orgulho e da dureza de coração, não creram Nele.
Quanto mais sábios e inteligentes vocês se acham, mais cegos espiritualmente são. Você sabe por que Jesus disse: “Nenhum cego pode guiar outro cego. Se fizer isso, os dois cairão num buraco”? Porque existem muitos líderes nas igrejas que são cegos, pois preferem ensinar ao povo usando livros de autores evangélicos famosos, assistirem palestras e seminários para aprender o que devem pregar, anotar pregações dos outros pastores para pregar igual… Ou seja, confiam e acreditam em fracos seres humanos, mas não dão atenção ao que o Espírito de Deus tem para ensinar.
Quando os líderes das igrejas reconhecerem que estão cegos espiritualmente, Deus os ajudará a ensinar o povo com a sabedoria divina e os livrará das armadilhas de satanás.
Jesus esteve aqui na terra para dar sentido a Lei, para que todos pudessem entendê-la. Hoje, o Espírito Santo foi enviado para abrir seus olhos espirituais e te fazer entender os ensinamentos de Deus.
Não rejeite o que Deus fez para te ajudar! Peça a Deus para abrir seus olhos e sua mente, para ler e entender a Bíblia. Quando o Espírito Santo tirar a veda dos seus olhos você se dará conta do tempo que perdeu correndo atrás de coisas inúteis, sem nenhum valor espiritual. “E o que realmente tem valor nessa vida?” O amor e a comunhão com Deus.
Você verá a qualidade de vida que terá se deixar sua natureza humana ser dirigida pelo Espírito Santo de Deus. Pois dará importância ao espiritual, mudará seu modo de agir e de pensar, vai ser misericordioso com seus irmãos, saberá tratar bem a todos, será paciente e terá sabedoria e discernimento.
Não sejam cegos e teimosos! Aprendam com o Espírito Santo a andar nesta terra com os olhos bem abertos e sempre vigilantes para não caírem nas armadilhas do inimigo.
Que Deus o abençoe!

Como posso saber qual a vontade de Deus para minha vida

Pergunta: “Como posso saber qual a vontade de Deus para minha vida?”

Resposta: Há duas chaves para se conhecer a vontade de Deus para uma dada situação: (1) Certifique-se de que o que você está pedindo ou pensando em fazer não é algo que a Bíblia proíbe. (2) Certifique-se de que o que você está pedindo ou pensando em fazer irá glorificar a Deus e ajudá-lo a crescer espiritualmente. Se estas duas coisas forem verdade e Deus, ainda assim, não está dando o que você está pedindo – então provavelmente não é da vontade de Deus que você tenha o que está pedindo. Ou, talvez, você somente precise esperar um pouco mais por isso. Conhecer a vontade de Deus é, às vezes, difícil. As pessoas querem que Deus, basicamente, diga a elas o que fazer – onde trabalhar, onde morar, com quem se casar, etc. Romanos 12:2 nos diz: “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”

Deus raramente dá às pessoas informações assim tão diretas e específicas. Deus permite que façamos escolhas em relação a estas coisas. A única decisão que Deus não quer que tomemos é a decisão de pecar ou resistir à Sua vontade. Deus quer que façamos escolhas que estejam em conformidade com sua vontade. Então, como saber qual a vontade de Deus para você? Se você estiver caminhando junto ao Senhor e verdadeiramente desejar a vontade dEle para sua vida – Deus colocará Sua vontade em seu coração. A chave é desejar a vontade de Deus, não a sua própria. “Deleita-te também no SENHOR, e ele te concederá o que deseja o teu coração” (Salmos 37:4). Se a Bíblia não se coloca contra algo, e este algo pode verdadeiramente beneficiá-lo espiritualmente – então a Bíblia dá a você a “permissão” de tomar decisões e seguir seu coração

Porta larga, porta estreita.

Leitura: Evangelho de Mateus 7:13

Jesus disse “entrem pela porta estreita porque a porta larga e o caminho amplo levam à perdição”. O que é isso? De que porta ele está falando?

Em outras passagens ele diz “eu sou a Porta” e “eu sou o caminho”. Mas por que a porta é estreita? Porque para ser salvo você precisa seguir uma lista de restrições? A porta é estreita porque é individual. Para ter acesso a Deus você precisa passar sozinho e pela única porta: Jesus.

Não existe outra porta? Existem muitas, mas esta é a única que leva ao Pai. Jesus disse: “ninguém vem ao Pai se não for através de mim”. Em outro lugar diz que “não há outro intermediário além de Jesus”. Isso é claro o suficiente para você?

Mas como ele pode dizer isso? Ele pode, porque só ele morreu para levar o nosso pecado, só ele foi capaz de pagar o preço da nossa libertação. E ele ressuscitou.

Os túmulos de Buda, Maomé ou de qualquer outro grande líder religioso estão cheios de ossos. O túmulo de Jesus está vazio. Mas, é claro que a ausência de ossos não prova coisa alguma. É por isso que nem tudo é baseado em provas. Muitas coisas são baseadas em testemunhas.

A ressurreição de Jesus teve muitas testemunhas, centenas delas. Elas não viram apenas um túmulo vazio, mas conviveram com Jesus ressuscitado durante quarenta dias, antes de ele subir ao céu com corpo e tudo.

Quando você lê o jornal está acreditando no testemunho que o jornalista dá das coisas que ele viu ou de pessoas que ele entrevistou. Notícia é isso, o relato de pessoas que testemunharam um fato. A Bíblia não é só a Palavra de Deus, mas é também um registro de fatos históricos.

Você estava lá quando descobriram o Brasil, quando Tiradentes foi enforcado ou quando D. Pedro proclamou a independência? Se você não crer no testemunho dos historiadores, não vai passar de ano. Se não crer no testemunho dos apóstolos não irá crer em Jesus. E se não crer em Jesus…

A porta é estreita e você deve passar por ela sozinho. É uma decisão sua, individual. Você não será salvo por pertencer a um grupo, igreja ou religião. Você só é salvo se crer individualmente no Salvador. É algo pessoal. O fato de estar acompanhado de pessoas que foram salvas, que entraram pela porta que é Jesus, não garante nada.

Entre pela porta estreita; dê esse passo de fé, mesmo sem saber o que encontrará do outro lado; peça a Jesus para perdoar e salvar você. Creia naquele que morreu e ressuscitou por você. Aí sim você poderá andar com Jesus, ou melhor dizendo, andar em Jesus. Sim, porque ele é o caminho, o único caminho.

Como Deus pode nos dar um livramento, e nos mostrar que ele é nosso senhor e se ele não permitir nada acontece!

  •  Em novembro de 2016, tive uma visão onde eu via meu carro capotar várias
  • vezes… isso foi antes de eu pegar no sono, abri meus olhos e pensei sera que é coisa da minha cabeça.
  • deixei rolar, eu via meu carro na Airton senna, sentido bairro sofrer um terrível acidente, nunca falei sobre isso com ninguém ficava imaginando… eu sempre vou ao centro de São Paulo uma hora eu ia ter que passar por ali, minha cadela deu cria, e eu vendi os filhotes, pois são de raça.
  • então um mês depois eu teria que fazer uma entrega e evidente que eu ia ter que ir por ali, não posso dizer que não me senti aflita, mais coloquei nas mãos de Deus, e confiei plenamente em sua misericórdia e amor, quando estamos voltando da entrega me coloquei em oração mental, meu marido me perguntou se eu queria voltar pelo mesmo trajeto eu então tive oportunidade de talvez desviar daquele caminho, mais resolvi confiar que nada iria acontecer e que se fosse da vontade de Deus isso ia acontecer!
  • fechei meus olhos e fui tomada por uma paz inexplicável não tive medo algum, o mais engraçado foi meu marido usar o GPS para voltar, ele sabia o cominho de olhos fechados, continuei com os olhos fechados, quando percebi que meu marido estava subindo uma ponte, já estávamos bem perto de onde eu tinha visto  era poucos kl de onde eu vi o acidente, perguntei a ele por que você ta subindo por aqui?, e ele para conhecer outro caminho! fiquei olhando perplexa aquela ponte pulou somente o trecho que eu vira em visão, olhei para meu marido e contei ha ele a visão que eu tive, e que Deus desviou nosso trajeto para me mostrar que ele nôs deu um grande livramento.
  • algumas pessoas pode dizer que foi só um acaso, ou uma coincidência, mais foi incrível o trabalhar de Deus eu sentia que ele estava comigo porque não senti medo nem nada pois sei que tudo acontece somente quando é aprovado por Deus e nosso Senhor, fiquei feliz por saber que Deus cuida  da gente, e dessa vez pude ver eu mesma como o agir dele em nossas vidas pode desviar do laços do inimigo, e a confiança em que temos que ter na seu amor e misericórdia.  Deus abençoe a todos!!!  

Apocalipse 19

1 E, depois destas coisas ouvi no céu uma grande voz de uma grande multidão, que dizia: Aleluia! A salvação, e a glória, e a honra, e o poder pertencem ao Senhor nosso Deus;

2 Porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua fornicação, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos.

3 E outra vez disseram: Aleluia! E a fumaça dela sobe para todo o sempre.

4 E os vinte e quatro anciãos, e os quatro animais, prostraram-se e adoraram a Deus, que estava assentado no trono, dizendo: Amém. Aleluia!

5 E saiu uma voz do trono, que dizia: Louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes.

6 E ouvi como que a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina.

7 Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.

8 E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.

9 E disse-me: Escreve: Bemaventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.

10 E eu lancei-me a seus pés para o adorar; mas ele disse-me: Olha não faças tal; sou teu conservo, e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus. Adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia.

11 E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça.

12 E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo.

13 E estava vestido de veste tingida em sangue; e o nome pelo qual se chama é A Palavra de Deus.

14 E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro.

15 E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso.

16 E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores.

17 E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus;

18 Para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam; e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes.

19 E vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos, para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo, e ao seu exército.

20 E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre.

21 E os demais foram mortos com a espada que saía da boca do que estava assentado sobre o cavalo, e todas as aves se fartaram das suas carnes.

A queda de Babilônia

apocalipse-18

1 E depois destas coisas vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória.

2 E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e coito de todo espírito imundo, e coito de toda ave imunda e odiável.

3 Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua fornicação, e os reis da terra fornicaram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias.

4 E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas.

5 Porque já os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou das iniqüidades dela.

6 Tornai-lhe a dar como ela vos tem dado, e retribuí-lhe em dobro conforme as suas obras; no cálice em que vos deu de beber, dai-lhe a ela em dobro.

7 Quanto ela se glorificou, e em delícias esteve, foi-lhe outro tanto de tormento e pranto; porque diz em seu coração: Estou assentada como rainha, e não sou viúva, e não verei o pranto.

8 Portanto, num dia virão as suas pragas, a morte, e o pranto, e a fome; e será queimada no fogo; porque é forte o Senhor Deus que a julga.

9 E os reis da terra, que fornicaram com ela, e viveram em delícias, a chorarão, e sobre ela prantearão, quando virem a fumaça do seu incêndio;

10 Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande cidade de Babilônia, aquela forte cidade! pois em uma hora veio o seu juízo.

11 E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra; porque ninguém mais compra as suas mercadorias:

12 Mercadorias de ouro, e de prata, e de pedras preciosas, e de pérolas, e de linho fino, e de púrpura, e de seda, e de escarlata; e toda a madeira odorífera, e todo o vaso de marfim, e todo o vaso de madeira preciosíssima, de bronze e de ferro, e de mármore;

13 E canela, e perfume, e mirra, e incenso, e vinho, e azeite, e flor de farinha, e trigo, e gado, e ovelhas; e cavalos, e carros, e corpos e almas de homens.

14 E o fruto do desejo da tua alma foi-se de ti; e todas as coisas gostosas e excelentes se foram de ti, e não mais as acharás.

15 Os mercadores destas coisas, que dela se enriqueceram, estarão de longe, pelo temor do seu tormento, chorando e lamentando,

16 E dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! que estava vestida de linho fino, de púrpura, de escarlata; e adornada com ouro e pedras preciosas e pérolas! porque numa hora foram assoladas tantas riquezas.

17 E todo piloto, e todo o que navega em naus, e todo marinheiro, e todos os que negociam no mar se puseram de longe;

18 E, vendo a fumaça do seu incêndio, clamaram, dizendo: Que cidade é semelhante a esta grande cidade?

19 E lançaram pó sobre as suas cabeças, e clamaram, chorando, e lamentando, e dizendo: Ai, ai daquela grande cidade! na qual todos os que tinham naus no mar se enriqueceram em razão da sua opulência; porque numa hora foi assolada.

20 Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já Deus julgou a vossa causa quanto a ela.

21 E um forte anjo levantou uma pedra como uma grande mó, e lançou-a no mar, dizendo: Com igual ímpeto será lançada babilônia, aquela grande cidade, e não será jamais achada.

22 E em ti não se ouvirá mais a voz de harpistas, e de músicos, e de flautistas, e de trombeteiros, e nenhum artífice de arte alguma se achará mais em ti; e ruído de mó em ti não se ouvirá mais;

23 E luz de candeia não mais luzirá em ti, e voz de esposo e de esposa não mais em ti se ouvirá; porque os teus mercadores eram os grandes da terra; porque todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias.

24 E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra.